Nunca houve tão poucos médicos em exclusivo no SNS

  • ECO
  • 29 Junho 2019

De acordo com Administração Central do Sistema de Saúde, apenas 30% dos médicos do SNS estão em dedicação exclusiva, figura laboral que foi mesmo eliminada em 2009.

Na semana em que o ministro das Finanças garantiu que nunca houve tantos médicos no Serviços Nacional de Saúde (SNS) como agora, o Expresso (acesso pago) dá conta que 70% destes especialistas não estão em dedicação exclusiva. No caso dos médicos hospitalares, essa presença intermitente é ainda mais acentuada e chega aos 80%.

Em causa está um regime que permite ao médico trabalhar em simultâneo no privado e trocar as extras nas Urgências das suas unidades por outras que pagam mais à tarefa, no SNS.

Assim, ainda que desde 2015 o número de contratações de especialistas tenha aumentado 10% ( 24%, no caso dos internos), nenhum desses novos contratos tem um vínculo pleno com o SNS. De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde, apenas 30% do total de médicos do SNS em 2018 (5.587 de 18.835) estavam em exclusivo. Nos hospitais, essa fatia emagrece para 20% (2.504 de 12.448).

É importante notar, além disso, que mesmo que os médicos queiram trabalhar só para o Estado — o que teria vantagens para ambas as partes — não podem, porque a figura da dedicação exclusiva foi retirada da Saúde em 2009, porque era cara. “Gastava-se muito com os suplementos e com o pagamento das horas na Urgência, também mais valorizadas neste regime”, salienta Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médico, em declarações ao semanário.

“Gastava-se muito, mas 70% dos médicos de família e 40% dos hospitalares estavam em dedicação. Quem entrou depois 2009 deixou de ter opção, incluindo diretores de serviço. Aberrante”, acrescenta o bastonário da Ordem dos Médicos. Miguel Guimarães lamenta ainda que esteja “um país inteiro” a trabalhar para Mário Centeno e aproveita para avisar que a “linha vermelha” já foi ultrapassada na Saúde, restando pouco tempo para reverter a situação do SNS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nunca houve tão poucos médicos em exclusivo no SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião