Donald Trump diz que empresas americanas podem vender produtos à Huawei

  • Lusa
  • 29 Junho 2019

Da reunião entre Donald Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, saiu a decisão de prosseguir com as negociações para pôr fim à guerra comercial.

A Casa Branca vai permitir que as empresas norte-americanas vendam produtos à gigante chinesa de telecomunicações Huawei, anunciou este sábado o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O anúncio foi feito por Donald Trump no final da reunião com o Presidente chinês, Xi Jinping, marcada para revolver a guerra comercial que envolve os dois países desde o ano passado.

“Nós concordamos que as empresas norte-americanas podem vender produtos para a Huawei”, afirmou Trump, que participou na Cimeira do G20, na cidade japonesa de Osaka.

O Presidente norte-americano prometeu também não aumentar os direitos alfandegários sobre as importações chinesas, confirmando que as negociações entre as duas maiores potências mundiais serão retomadas.

“Não vamos adicionar tarifas ou remover tarifas, pelo menos por enquanto”, disse Donald Trump, à margem da cimeira do G20 em Osaka, no Japão, na qual estão reunidos os líderes das maiores economias mundiais.

“Continuaremos a negociar”, garantiu, no final de um encontro com o congénere chinês.

Os presidentes dos dois países parecem ter concordado em relançar as negociações económicas e comerciais, depois do fim abrupto das negociações em maio.

O Presidente dos Estados Unidos afirmou que a reunião entre os dois correu “muito bem” e que as negociações estão “de volta ao caminho certo”.

Antes da reunião, o presidente Chinês disse que, apesar das grandes mudanças que ocorreram na situação internacional e nas relações entre Pequim e Washington, durante os últimos 40 anos há “um fator básico que permanece inalterado: a China e os Estados Unidos beneficiam da cooperação e perdem no confronto”.

“A cooperação e o diálogo são melhores do que atritos e confrontos”, disse Xi a Trump.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Trump diz que empresas americanas podem vender produtos à Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião