Facebook também suspende relações com a Huawei

A Huawei está impedida de instalar de origem as aplicações do Facebook nos novos aparelhos que ainda não estejam no mercado. Medida não afeta os atuais utilizadores nem os telemóveis à venda.

O Facebook cortou relações com a Huawei e vai impedir que a tecnológica chinesa instale de origem as aplicações da rede social nos novos smartphones da marca. A notícia foi avançada pela Reuters, que cita fonte oficial da empresa norte-americana.

A medida não vai afetar os atuais utilizadores de dispositivos Huawei. A rede social promete continuar a fornecer o serviço e as atualizações de software aos atuais utilizadores. Mesmo os utilizadores que venham a adquiram telemóveis Huawei nos próximos tempos poderão descarregar o Facebook da loja de aplicações Play Store. Ou seja, a decisão só vai abranger os modelos que a Huawei ainda não colocou no mercado.

O grupo Facebook, que detém também a rede social Instagram e a popular aplicação de mensagens WhatsApp, torna-se assim a última empresa a suspender negócios em curso com a fabricante Huawei, depois de a Administração Trump ter colocado esta última na lista negra das exportações.

Outras gigantes norte-americanas, como a Google, anunciaram decisões semelhantes na semana passada, uma vez que a medida de Washington torna praticamente impossível às fornecedoras dos EUA manterem relações comerciais com a empresa chinesa. A decisão, que surgiu em plena guerra comercial sino-americana, foi entretanto suspensa até agosto por Donald Trump.

A medida da Google vai impedir que a Huawei aceda à versão comercial do sistema operativo móvel Android, uma decisão que poderá levar à queda do negócio da Huawei na Europa. A empresa já admitiu estar a trabalhar num sistema operativo alternativo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook também suspende relações com a Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião