Empresa de bicicletas Órbita recorre ao PER para renegociar dívidas de 4 milhões de euros

  • Lusa
  • 1 Julho 2019

A empresa de bicicletas Órbita encontra-se atualmente sem atividade fabril normal e apresentou um Processo Especial de Revitalização.

A empresa de bicicletas Órbita, em Águeda, apresentou um Processo Especial de Revitalização (PER) com vista a renegociar as dívidas com os credores que rondam os quatro milhões de euros, informou esta segunda-feira fonte judicial.

De acordo com a relação dos credores que acompanha a petição inicial entregue no Juízo de Comércio de Aveiro, a empresa tem atualmente mais de quatro milhões de euros de dívidas.

Entretanto, o tribunal nomeou António José Matos Loureiro como administrador judicial provisório para acompanhar a gestão da instituição, segundo um anúncio publicado no portal Citius. Cada credor tem agora um prazo de 20 dias para reclamar os seus créditos junto do devedor.

O PER tem como finalidade permitir ao devedor que esteja numa situação economicamente difícil ou em situação de insolvência iminente, mas que ainda seja passível de ser recuperado, negociar com os credores com vista a um acordo que leve à sua revitalização.

A apresentação do PER foi também confirmada pelo Governo, que refere que a empresa “encontra-se atualmente sem atividade fabril normal, para além de estar restringida a um número reduzido de colaboradores”.

“Alegadamente alguns equipamentos produtivos importantes já não se encontram nas instalações da empresa”, lê-se ainda na resposta do Gabinete do Ministro Adjunto e da Economia a uma pergunta da deputada do PCP Diana Ferreira sobre o risco de encerramento da empresa.

Na pergunta ao Governo, a deputada do PCP referia que a Órbita estava em risco de fechar portas, adiantando que a rescisão do contrato por parte da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) para fornecimento de bicicletas de uso livre e o respetivo pedido de indemnização de quatro milhões de euros “veio agravar a situação precária da empresa”.

Diana Ferreira perguntava se o Governo tinha conhecimento da situação e que medidas pretendia tomar para defender a produção nacional e assegurar a continuidade da laboração e dos postos de trabalho. No passado mês de abril, a empresa EMEL rescindiu o contrato com a Órbita, fornecedora das bicicletas do sistema Gira, por incapacidade para prestar o serviço contratualizado.

De acordo com a empresa municipal, a decisão surgiu na sequência dos sucessivos incumprimentos contratuais por parte da Órbita, tendo o primeiro ocorrido logo em dezembro de 2017, três meses após o final da fase piloto (realizada entre 21 de junho e 7 de setembro), quando, em vez das 43 estações contratadas, apenas 34 estavam em funcionamento e, das 409 bicicletas previstas (273 elétricas e 136 convencionais), o sistema apenas dispunha de 296 (191 elétricas e 105 convencionais)”, explicou a empresa em comunicado.

Segundo a nota, “desde maio de 2018 as falhas da Órbita foram-se somando, tendo nos últimos oito meses a empresa revelado total incapacidade para prestar o serviço contratualizado”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Empresa de bicicletas Órbita recorre ao PER para renegociar dívidas de 4 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião