EMEL rescinde contrato com a Órbita e lança novo concurso para expansão da rede Gira

  • Lusa
  • 10 Abril 2019

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) rescindiu esta quarta-feira o contrato com a Órbita, empresa fornecedora das bicicletas do sistema Gira.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) rescindiu esta quarta-feira o contrato com a Órbita, empresa fornecedora das bicicletas do sistema Gira, e aprovou o lançamento de um novo concurso para a expansão da rede.

“A decisão de rescisão por parte da EMEL vem na sequência dos sucessivos incumprimentos contratuais por parte da Órbita, tendo o primeiro ocorrido logo em dezembro de 2017, três meses após o final da fase piloto (realizada entre 21 de junho e 07 de setembro), quando, em vez das 43 estações contratadas, apenas 34 estavam em funcionamento e, das 409 bicicletas previstas (273 elétricas e 136 convencionas), o sistema apenas dispunha de 296 (191 elétricas e 105 convencionais)”, explica a empresa em comunicado.

Segundo a nota, “desde maio de 2018 as falhas da Órbita foram-se somando, tendo nos últimos oito meses a empresa revelado total incapacidade para prestar o serviço contratualizado”.

“Perante os reiterados incumprimentos por parte da empresa”, em julho de 2018 a EMEL definiu pela primeira vez “penalidades contratuais o valor de 650 mil euros, que não executou na tentativa de não inviabilizar o funcionamento do sistema”.

Já em dezembro, a EMEL definiu à Órbita penalidades contratuais no valor de dois milhões de euros e já este ano, no final do primeiro trimestre, penalidades contratuais no valor de mais dois milhões e seiscentos mil euros – as quais ainda não executou até ao momento”. Fonte da empresa indicou à Lusa que estas penalidades de dezembro e de 2019 vão ser executadas.

Atualmente, o sistema de bicicletas públicas partilhadas da capital conta “apenas com 92 estações em vez das 140 previstas”, sendo que, “destas 92 estações, 74 estão em operação”, 15 já estão instaladas no terreno, mas “não podem entrar em operação por falta de bicicletas”, e “outras três estão inoperacionais por falta de componentes, sendo todas estas falhas da responsabilidade da Órbita”.

Relativamente ao número de bicicletas, a EMEL destaca que a rede Gira esteve a funcionar no último mês “apenas com uma média de 500, das quais apenas 200 elétricas, quando deveriam estar em operação (para as 92 estações) 624 bicicletas elétricas e 311 convencionais”.

O concurso a ser lançado para a expansão, operação e manutenção da rede Gira prevê que sejam adicionadas ao sistema existente até ao total de 3.500 bicicletas, 80% das quais elétricas, e até 350 estações, durante um período máximo de oito anos”, dá conta a empresa municipal.

Em entrevista à Lusa, o vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar (PS), estimou em março que o sistema chegue a todas as freguesias em 2020, ano em que Lisboa será Capital Verde Europeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EMEL rescinde contrato com a Órbita e lança novo concurso para expansão da rede Gira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião