Tempos de espera motivam maior parte das queixas na saúde em 2018

  • Lusa
  • 1 Julho 2019

Foram recebidas e decididas pela Entidade Reguladora da Saúde quase 18 mil reclamações relativas apenas aos tempos de espera no ano passado.

Os tempos de espera no local de atendimento representaram um quarto das queixas dos utentes no setor na saúde no ano passado, sendo o tema mais mencionado nas reclamações.

O relatório da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) relativo às reclamações no setor em 2018, divulgado esta segunda-feira, mostra que 24% das reclamações apresentadas e já decididas respeitavam a tempos de espera, sobretudo o “tempo de espera para atendimento clínico não programado superior a uma hora”.

Ao todo, foram recebidas e decididas pela ERS quase 18 mil reclamações relativas apenas aos tempos de espera. Estes tempos de espera dizem respeito à espera no local, desde o momento da chegada às instalações até ao atendimento, incluindo atrasos e demoras, para atos clínicos e para atos administrativos.

A questão dos tempos de espera é a reclamação mais frequente nos setores público, privado e nos estabelecimentos geridos em parceria público-privada. Depois dos tempos de espera, é a “focalização no utente” o tema mais reclamado, com destaque para questões ligadas a tratamento pelos meios adequados, humanamente, com prontidão, correção e respeito.

Como terceiro tema mais reclamado surgem os “procedimentos administrativos”, sendo particularmente alvo de queixas a qualidade da informação institucional disponibilizada.

O relatório do regulador divulgado esta segunda-feira aponta globalmente para mais de 84 mil queixas recebidas em 2018 relativas a unidades de saúde públicas, privadas ou sociais, um aumento de 20% face a 2017. Também o número de elogios cresceu, para um total superior a 11 mil, sendo sobretudo dirigidos a “pessoal clínico” (quase um terço do total).

Do total de processo de reclamações, quase 70% dizem respeito a unidades públicas, mas as quatro parcerias público-privadas têm 9% das reclamações, muito acima de todos os prestadores do setor social. Assim, das mais de 84 mil reclamações na saúde registadas no ano passado pelo regulador, 67% respeitam a unidades públicas e são as instituições com internamento as que recebem mais queixas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tempos de espera motivam maior parte das queixas na saúde em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião