“PSD não é muleta da geringonça”, diz Rui Rio. Sociais-democratas votam contra Lei de Bases da Saúde

Para Rui Rio, o PS deu uma "desculpa de mau pagador" para não avançar com as negociações sobre a Lei de Bases da Saúde. "É preferível que a Lei de Bases chumbe e fiquei como está”, diz.

Perante a rejeição do PS das condições apresentadas pelos sociais-democratas para negociar a Lei de Bases de Saúde, Rui Rio diz que “o PSD não existe para ajudar o Governo” e adianta que “é preferível que a [proposta da] Lei de Bases chumbe e fique como está”. O presidente do PSD reitera ainda que “isto é uma vitoria da ala radical de esquerda do PS sobre a ala moderada do PS”.

Relativamente à ação dos socialistas, Rio diz, em conferência de imprensa, que “ou o PS nunca esteve de boa-fé nisto, ou se esteve de boa-fé achava que o PSD estava aqui para ser muleta da geringonça quando a geringonça não consegue funcionar”. “Não estamos aqui para fazer fretes”, completa Rui Rio, que classifica a justificação dos socialistas para não aceitar as condições como uma “desculpa de mau pagador”.

Questionado sobre se já disse ao grupo parlamentar para votar contra o texto final, na reunião do grupo de trabalho que se debruça sobre a Lei de Bases da Saúde, a 2 de julho, o líder social-democrata diz que “nem é preciso dar indicação”. “É preferível que a Lei de Bases chumbe e fique como está”, acrescenta o presidente do PSD.

Rui Rio garante que a intenção do partido nestas negociações não era uma “revisitação total da lei” e que o que está em causa era, por exemplo, fazer referência aos cuidados continuados e pedir o reconhecimento ao direito aos cuidados paliativos. “É demais pedir isto?”, questiona o líder social-democrata.

(Notícia atualizada às 18h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“PSD não é muleta da geringonça”, diz Rui Rio. Sociais-democratas votam contra Lei de Bases da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião