Saúde diz que 60% dos utentes do SNS não pagavam taxas moderadoras em 2018

Informações novas sobre o acesso ao SNS mostram que são mais de metade os utentes do SNS que têm isenção nas taxas moderadoras. Centros de Saúde valem metade das receitas com estas taxas.

O Bloco de Esquerda quer isentar os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) do pagamento de taxas moderadoras nos centros de saúde, mas o PS quer que este fim seja faseado. Mas afinal quantos utentes estão isentos do pagamento desta taxa? Ao ECO, fonte oficial do instituto que gere os recursos do SNS revela que, em 2018, “cerca de 60% dos utentes” não pagavam taxa moderadora, uma percentagem “em linha” com a registada no ano anterior.

No final de 2018, o SNS registava 5.770.804 de utentes isentos ou dispensados de pagamento de taxas moderadoras. Este é o valor mais atual e foi revelado ao ECO pela ACSS. O número de isenções atribuídas no ano passado revela uma redução de 2% face às registadas no ano anterior e mostra ainda que, desde 2015, o total de utentes isentos tem vindo a recuar sucessivamente. Em três anos, o SNS atribuiu menos 340.968 isenções nas taxas moderadoras, o que representou uma quebra de 5,6%.

Evolução dos utentes isentos

Fonte: ACSS

Apesar da redução do número do número de utentes isentos entre 2015 e 2018, a receita gerada pelas taxas moderadoras não tem aumentado. Pelo contrário. Se em 2015, entraram nos cofres públicos 190 milhões de euros em receitas das taxas moderadoras, em 2018, já só entraram 161 milhões de euros. O valor caiu de ano para ano neste período que corresponde ao da atual governação. A partir de 2011, quando entrou em vigor a atual lei que regula as taxas moderadoras, e até 2015, registaram-se aumentos de receitas todos os anos, à exceção de 2014.

No ano passado, as receitas geradas pelos centros de saúde (onde se incluem urgências) representavam 88 milhões de euros, num bolo total de 161 milhões de euros. Ou seja, cerca de 55% das receitas com taxas moderadoras vêm dos centros de saúde. A proposta dos bloquistas incide precisamente sobre esta fatia de receitas.

Em 2018, a maioria dos isentos tinham como critério de isenção “insuficiência económica”, “menores de 17 anos e 364 dias” e com “incapacidade igual ou superior a 60%”, acrescenta a ACSS. Existem outras razões que dão lugar a isenção do pagamento de taxas moderadoras, como por exemplo ser desempregado, bombeiro ou estar grávida.

(Correção: Esta notícia, na sua versão inicial, dizia, erradamente, que o número de isentos de taxas moderadoras em Portugal era de 45%. Esta informação foi enviada ao ECO pela ACSS que, posteriormente, corrigiu os dados, dizendo que afinal a percentagem de isentos era de 60%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saúde diz que 60% dos utentes do SNS não pagavam taxas moderadoras em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião