Rui Rio apresenta três condições para negociar Lei de Bases da Saúde com o PS

O líder do PSD adiantou os três pontos que quer revisitar na discussão com o PS para aprovar a Lei de Bases da Saúde. A gestão do SNS é uma das áreas visadas.

A gestão e funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), as matérias ligadas aos direitos dos cidadãos e o capítulo sobre saúde pública e bem-estar são os três pontos que o PSD quer revisitar na discussão com o PS sobre a Lei de Bases da Saúde. Depois de os socialistas mostrarem abertura para negociar com os sociais-democratas, Rui Rio apresenta agora as áreas essenciais para chegar a acordo.

“Estivemos a fazer um levantamento do que foi reprovado no grupo de trabalho e comunicamos ao PS que estamos disponíveis para revisitar as votações em três áreas fundamentais“, indicou o líder do PSD, em conferência de imprensa. “O PS que nos diga o que podemos adaptar da nossa proposta para existirem condições de colher o voto favorável” dos socialistas, apontou.

Rui Rio deixou a ressalva de que “não passa ou deixa de passar a lei só pela questão das Parcerias Público Privadas (PPP)”, que se inclui na área da gestão do SNS. Nesta matéria, sublinhou ainda que o objetivo do partido não é privatizar o SNS. “As PPP são uma exceção”, explica. “Se pode ser feito melhor e mais barato não deve existir um tabu ideológico a impedir a qualidade no SNS”, aponta o líder do PSD.

Além destes pontos, os sociais-democratas indicam ainda que, se a lei vier a ser votada favoravelmente, “a Assembleia da República tem depois de ajustar a unidade e coerência jurídica da lei”, já que o documento que sairá do grupo de trabalho será composto por vários “remendos”. “Não podemos correr o risco de o Presidente da República não promulgar a lei porque não tem qualidade”, reiterou.

(Notícia atualizada às 18h25)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio apresenta três condições para negociar Lei de Bases da Saúde com o PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião