Marta Temido desvaloriza polémica sobre PPP. Diz que “há aspetos muito mais importantes” na Lei de Bases da Saúde

Ministra da Saúde falava sobre a Lei de Bases da Saúde depois de o PS ter anunciado que não aceita renegociar com as regras do PSD e de Rui Rio dizer que "não é muleta da geringonça".

As parcerias público-privadas (PPP) são o ponto de discórdia que tem impedido a aprovação da proposta de Lei de Bases da Saúde, mas a ministra da Saúde desvaloriza a questão. Marta Temido afirmou que muitos outros aspetos da lei mais relevantes, no dia em que PS e PSD afastaram ainda mais posições.

“Não se trata de fechar a porta” às PPP. Neste momento, na proposta de lei há aspetos muito mais importantes“, afirmou Marta Temida, em declarações transmitidas pela RTP3, questionada sobre as PPP.

A ministra inscreveu uma norma que previa o fim destas parcerias numa proposta enviada aos partidos à esquerda. No entanto, este texto acabou por ser classificado como documento de trabalho e o PS excluiu a norma sobre o fim das PPP da negociação. A ministra explicou agora que o Governo tem “preferência pela gestão pública, mas há situações excecionais” que justificam a necessidade de manter os acordos para as parcerias com hospitais privados.

É esta posição que tem gerado fortes críticas do Bloco de Esquerda e o PCP. Assim, a existência de PPP determinaram uma quebra nas negociações entre os partidos à esquerda e o partido do Governo, que se virou para o PSD. Esta sexta-feira, também as conversações entre PS e PSD chegaram a um impasse.

O PS não aceitou revisitar os pontos apresentados por Rui Rio para chegar a acordo na Lei de Bases da Saúde. Para os socialistas, os temas que os sociais-democratas queriam rever iriam reabrir “um debate com alteração e revisão de 22 bases”, e não apenas de três bases, como alegava o PSD.

“Esta posição do PSD não é uma verdadeira negociação, é sim a tentativa de reabertura do debate da Lei de Bases da Saúde para deixar em vigor a atual Lei“, disse Jamila Madeira, deputada socialista, em conferência de imprensa. Desta forma, o PS já transmitiu ao PSD que “não está disponível para seguir esse caminho”, adianta.

Já o PSD reagiu pela voz do presidente do partido, dizendo que “ou o PS nunca esteve de boa-fé nisto, ou se esteve de boa-fé achava que o PSD estava aqui para ser muleta da geringonça quando a geringonça não consegue funcionar”. “Não estamos aqui para fazer fretes”, completa Rui Rio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marta Temido desvaloriza polémica sobre PPP. Diz que “há aspetos muito mais importantes” na Lei de Bases da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião