Tréguas China-EUA animam bolsas. JPMorgan dá força ao BCP

Bolsas europeias estão a aplaudir as tréguas entre a China e os EUA. Principais índices registam ganhos de 1%, com Lisboa a seguir a tendência, beneficiando da subida do BCP.

A segunda metade do ano arranca com sinal positivo nos mercados internacionais. As principais praças europeias estão a valorizar, com os investidores a aplaudirem as tréguas na guerra comercial entre a China e os EUA. Há valorizações de mais de 1%, incluindo no mercado nacional onde a estrela é o BCP, depois de ter sido eleito como um dos “top picks” do JPMorgan.

Os EUA não irão avançar para já com novas taxas que iriam abranger 300 mil milhões de dólares de artigos chineses. Em troca, a China irá adquirir bens agrícolas produzidos nos Estados Unidos. Tréguas alcançadas no fim de semana que estão a fazer-se sentir nos mercados neste arranque de semana. O Stoxx 600 ganha 0,74%, sendo que a maioria dos índices sobe 1%.

Em Lisboa, o PSI-20 avança 1,12% para cotar nos 5.194,95 pontos, mantendo a tendência positiva na primeira metade do ano, período em que subiu mais de 8%. Com exceção da Sonae Capital, que está inalterada, todas as outras cotadas estão a valorização, com as empresas de pasta e papel a brilharem. Navigator, Altri e Semapa somam mais de 2%.

A puxar pela bolsa está o BCP, título que maior peso tem no rumo do índice de referência nacional. As ações do banco liderado por Miguel Maya somam 1,8% para 27,68 cêntimos, isto depois de terem sido adicionadas às “top pick” do JPMorgan. O banco de investimento norte-americano reviu em alta a avaliação de 30 para 33 cêntimos.

Nota positiva também para o setor da energia, ainda que com menor expressão. A Galp Energia ganha 1,26% para 13,695 euros na semana em que a OPEP decide o prolongamento do corte da produção de petróleo, já a EDP e a EDP Renováveis apresentam subidas de 0,3%.

(Notícia atualizada às 8h15 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tréguas China-EUA animam bolsas. JPMorgan dá força ao BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião