Reutilização de manuais é “dever civilizacional” equiparável à reciclagem, diz secretário de Estado

  • ECO
  • 1 Julho 2019

A "reutilização de manuais é um dever civilizacional. É como separar o lixo e reciclar", defende secretário de Estado da Educação. No próximo ano letivo, manuais serão gratuitos do 1º ao 12º ano.

O secretário de Estado da Educação, João Costa, considera que a reutilização de manuais escolares é um dever civilizacional equiparável à separação e reciclagem do lixo. A posição surge pouco depois de um levantamento do Tribunal de Contas ter concluído que as escolas só aproveitaram 3,9% dos manuais escolares no ano letivo 2018/2019.

Em entrevista publicada esta segunda-feira pelo Jornal I (link indisponível), o governante afirma que a “reutilização de manuais é um dever civilizacional. É como separar o lixo e reciclar“.

Os manuais escolares gratuitos no próximo ano letivo serão distribuídos a 1,2 milhões de alunos do 1.º ao 12.º ano, e conforme João Costa chegou a defender no Parlamento em outubro de 2018, para o Executivo o cenário ideal é ver cada manual ser utilizado pelo menos três vezes antes de ser substituído por um novo.

Contudo, uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas dada a conhecer em maio último apontou que em mais de 600 escolas do país “apenas 3,9% dos vales emitidos respeitaram a manuais reutilizados, num total de 107 mil”. No primeiro ciclo, a percentagem de vales emitidos não ultrapassou os 11% e no segundo ciclo ficou-se pelos 0,4%. “Contudo, não existe informação sobre quantos foram efetivamente resgatados, desconhecendo-se, por isso, quantos manuais reutilizados se encontram em utilização”, diagnosticou o Tribunal de Contas.

No ano letivo que há pouco terminou, o Ministério da Educação distribuiu manuais a cerca de 500 mil alunos até ao 6.º ano através de uma plataforma informática que atribuiu vouchers para que as famílias pudessem escolher onde queriam levantar os livros.

Já para o ano letivo que arranca em setembro, o objetivo da tutela é alargar a distribuição de manuais até ao 12º ano, o que deverá custar ao Orçamento do Estado mais de 160 milhões de euros, segundo valores divulgados por Tiago Brandão Rodrigues ao Parlamento.

Conforme salientou o ministro da Educação em novembro passado, o alargamento é “a concretização de uma obrigação republicana para com todos os seus cidadãos”, representando para muitos cidadãos deixar de ter “uma despesa muitas vezes equivalente a um dos seus salários mensais”. “Garantimos assim que todos começam o ano letivo nas mesmas condições do colega do lado e não à medida do que o equilíbrio financeiro mensal das despesas familiares permite”, sublinhou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reutilização de manuais é “dever civilizacional” equiparável à reciclagem, diz secretário de Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião