Apollo negoceia em exclusivo com Generalli venda da Tranquilidade

O fundo Apollo pôs a Tranquilidade à venda e já tem um candidato principal. A Generalli está a negociar, com exclusividade, a compra da seguradora por um valor entre os 550 e os 600 milhões de euros.

A venda da Tranquilidade deu mais um passo: O fundo Apollo concedeu à Generalli a exclusividade das negociações da venda da Seguradoras Unidas, o que inclui a Tranquilidade, por um período curto de tempo, que está a decorrer, apurou o ECO junto de fontes do setor. Depois do fim do prazo da entrega de propostas pelo grupo segurador que também inclui a antiga Açoreana por parte de quatro concorrentes, a melhor proposta foi a da Generalli.

Oficialmente, nenhuma das partes faz comentários sobre o negócio, mas o ECO sabe que o fundo Apollo fixou um prazo curto – será de seis dias, diz outra fonte – para fechar um acordo com a Generalli e os valores que estão em cima da mesa variam entre os 550 milhões e os 600 milhões de euros. Para além da italiana Genberalli, também a Catalana Occidente, a Allianz e a Ageas apresentaram propostas vinculativas. E serão mesmos os catalães com a segunda melhor oferta.

A Bloomberg tinha adiantado em 26 de junho que a mais elevada entre as propostas iniciais tinha sido da Generalli e o valor de 682 milhões de dólares, valor próximo daquele que o ECO também tem como base do negócio. No entanto, esta exclusividade negocial indica foram mesmo os italianos os que apresentaram a proposta mais elevada e, em principio, sem obstáculos de concorrência.

Lucros de 50,6 milhões em 2018

O grupo Seguradoras Unidas, que junta a Tranquilidade (ex-BES), Açoreana (ex-Banif) e Logo, obteve, no último ano, um lucro de 50,6 milhões de euros, o que, na prática, põe este negócio entre a Apollo e a Generalli com um múltiplo de 10 vezes o lucro. O lucro líquido em 2018 reflete uma melhoria do desempenho comercial, das margens técnicas, dos níveis de eficiência e dos resultados financeiros da companhia”, refere a informação divulgada pelo grupo, e que pertence ao fundo norte-americano Apollo.

Os resultados da seguradora progrediram significativamente, já que os 50,6 milhões de euros apurados no último ano contrastam vivamente com os 41,7 milhões de euros de prejuízos averbados no exercício de 2017.

A Seguradoras Unidas atingiu, no último ano, um volume total de prémios de 800 milhões de euros, o que mostra um crescimento de 9,6% face a 2017. Do total, 746 milhões de euros provêm da área não-vida, onde a taxa de sinistralidade baixou para 69,7%, menos 9,5 pontos percentuais. No ramo vida os prémios ascenderam a cerca de 54 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apollo negoceia em exclusivo com Generalli venda da Tranquilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião