Segurança Social está a ser inspecionada por execução “indevida” de dívidas

A subida do número de queixas sobre a "execução indevida" de dívidas levou a provedora de Justiça a ordenar uma inspeção aos centros de execução da Segurança Social.

Face a um “aumento avassalador” das queixas sobre a “execução indevida” de dívidas à Segurança Social, a provedora de Justiça decidiu ordenar uma inspeção a estas notificações e procedimentos para, até ao final do ano, se possa ter resultados. Isso mesmo garantiu, esta quarta-feira, Maria Lúcia Cabral, numa audição na Comissão de Trabalho e Segurança Social, que indicou que esta atividade inspetiva arrancou no outono do último ano e tem prosseguido este ano.

“Está a decorrer uma inspeção aos centros de execução [da Segurança Social] quanto a notificações, procedimentos de notificação, penhora e outras, para que no final de 2019 possamos ter resultados”, adiantou a provedora de Justiça, esta manhã. “É o processo executivo da Segurança Social que está em causa”, sublinhou.

Maria Lúcia Cabral justificou a sua decisão com o “aumento avassalador” das queixas “quanto à execução irregular de dívidas e sem garantias devidas aos cidadãos”. “Não podemos admitir ao Estado português comportamentos deste tipo”, frisou Maria Lúcia Amaral, referindo também que foi registado um volume “impressionante” de queixas sobre os atrasos nas pensões da Segurança Social.

O ECO já tinha nota de que alguns beneficiários da Segurança Social estavam a ser “surpreendidos” por dívidas à Segurança Social, muitas delas com mais de dez anos. Em entrevista ao ECO, a secretária de Estado da Segurança Social explicou que, por norma, estas dívidas não prescrevem, mas são passíveis de ser prescrita passados cinco anos do reconhecimento dessa dívida. “Temos situações em que esse período já foi ultrapassado e que, portanto, é passível de ser, por parte dos beneficiários, requerida a prescrição de dívida”, disse Cláudia Joaquim.

Questionada sobre o aumento do número de notificações que surpreenderam os portugueses, a governante descartou qualquer ligação com os novos prémios de desempenho atribuído aos funcionários da Segurança Social e explicou que este reforço da capacidade de recuperação de dívida está associada à reposição dos recursos humanos do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, o que também aconteceu à boleia do programa de regularização extraordinária dos vínculos precários na Administração Pública.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança Social está a ser inspecionada por execução “indevida” de dívidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião