Cartão de Cidadão com renovação automática chega no segundo trimestre de 2020

  • ECO
  • 5 Julho 2019

Renovação automática do CC é uma das medidas mais emblemáticas do Simplex apresentado esta sexta-feira e que inclui carta de condução na hora e plataforma de compensação de créditos de empresas.

O Governo apresenta esta sexta-feira o iSimplex 2019, prometendo neste novo pacote de medidas de simplificação da relação entre os cidadãos e a Administração Pública criar mecanismos que permitam a renovação automática do Cartão de Cidadão, cujas demoras têm motivado amplos protestos na sociedade portuguesa. Este mecanismo deverá estar implementado durante o segundo trimestre de 2020.

“A larga maioria das pessoas poderá beneficiar deste automatismo no Cartão de Cidadão, e os que não forem abrangidos, deixando de ter a concorrência de todos os outros, também passam a ter um atendimento muito mais célere”, salientou o secretário de Estado Adjunto e da Modernização Administrativa, em declarações ao Jornal de Negócios (acesso pago).

“A medida está prevista para o segundo trimestre de 2020, mas esse é o prazo máximo, do compromisso, e nada impede que seja mais rápido”, acrescentou ao Negócios.

A renovação automática do CC estará disponível para os cidadãos com mais de 25 anos que não precisem de realizar qualquer alteração que inclua dados biométricos, como a fotografia por exemplo.

“Significa que quando o seu cartão caducar recebe os códigos, faz o pagamento e só vai aos serviços uma vez, para levantar o cartão e fazer a autenticação, o que é fundamental para garantir todas as condições de segurança”, explicou Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência e Modernização Administrativa, já em entrevista ao Público (acesso pago).

As dificuldades enfrentadas por grande parte dos residentes em Portugal na altura da renovação do cartão do cidadão ou mesmo do passaporte tem estado no centro de várias queixas dos utentes de serviços públicos, confrontados não só com longas filas, como com previsões de agendamento que chegam aos 150 dias de espera. As queixas ganharam contorno de polémica depois do próprio governo culpar os cidadãos pelas demoras nestes processos.

Além das medidas pensadas para facilitar a vida aos cidadãos na altura de renovarem documentos, no iSimplex de 2019 estão também pensadas medidas como a carta de condução na hora — mediante um pagamento extra pela emissão –, o lançamento de um site que permite fazer agendamentos e tirar senhas online para todos os serviços públicos ou o lançamento de quatro novas lojas do cidadão ainda este ano — conheça aqui a lista das medidas em questão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cartão de Cidadão com renovação automática chega no segundo trimestre de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião