Portugal reemergiu de um período de recessão severa “com forças renovadas”

  • Lusa
  • 5 Julho 2019

“Estamos num caminho de convergência maduro com os nossos parceiros europeus", diz Mário Centeno.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, diz que Portugal reemergiu de um período de recessão severa com “forças renovadas” e é hoje “um país muito diferente”.

O governante falou na abertura da Reunião Conjunta do Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa, que decorreu em Lisboa.

“Estamos num caminho de convergência maduro com os nossos parceiros europeus. Reformámos a nossa Segurança Social e os sistemas de Educação e Formação. Reformámos o mercado de trabalho (três grandes reformas em 10 anos) e o setor financeiro. Fizemo-lo para promover o desenvolvimento sustentado”, disse Centeno.

O ministro das Finanças destacou a importância do apoio do banco de desenvolvimento em alguns investimentos que estão focados em melhorar a cobertura e a qualidade dos serviços públicos e no reforço de capital humano e coesão social em todo o país, exemplificando com o centro de refugiados, recentemente, inaugurado e o projeto de energia solar no Alqueva, que serão visitados durante o fim de semana pelos representantes do banco.

“Diferentes tendências emergem agora, trazendo riscos e oportunidades. Envelhecimento, avanços tecnológicos e aumento das desigualdades devem ser tratados como uma prioridade para o futuro”, disse.

Estes desafios, de acordo com Mário Centeno, implicam tomar medidas destinadas a promover o maior acesso à educação de alta qualidade e a uma maior participação da força de trabalho, bem como o acesso melhorado a um sistema de saúde universal, colocando no lugar um sistema de pensões sustentável, a par da proteção do ambiente, através da mitigação e adaptação às alterações climáticas.

O ministro destacou ainda o apoio do banco de desenvolvimento à Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), que segundo o governante irá contribuir para financiar investimentos de micro, pequenas e médias empresas portuguesas que promovam a sua sustentabilidade, eficiência energética, crescimento e criação de emprego.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal reemergiu de um período de recessão severa “com forças renovadas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião