Saco azul do BES? “Nunca acompanhei os financiamentos das campanhas em que participei”, diz Cavaco

  • ECO
  • 5 Julho 2019

Confrontado com investigações à legalidade dos financiamentos do BES à campanha de 2011, ex-PR sublinhou que nunca foi amigo de Ricardo Salgado e que não acompanhou financiamento das suas campanhas.

“Nunca acompanhei os financiamentos das campanhas em que participei, mas o meu mandatário financeiro está disposto a fornecer todas as explicações que os senhores quiserem.”

Foi desta forma que Cavaco Silva reagiu à investigação judicial em curso à possibilidade da campanha do ex-Presidente da República em 2011 ter sido alimentada por financiamentos ilegais oriundos do “saco azul” do BES, depois de confrontado pelo Correio da Manhã sobre as informações reveladas pela Sábado.

“Nunca acompanhei os financiamentos das campanhas em que participei. O mandatário financeiro está disposto a fornecer todas as explicações que os senhores quiserem”, começou por salientar Cavaco Silva aos jornalistas, apontando de seguida que as contas das suas campanhas foram sempre aprovadas pela comissão fiscalizadora destas. O que sei é que contas foram todas aprovadas pela comissão fiscalizadora das campanhas e todo o dinheiro que sobrou foi entregue ao Estado.”

Segundo a investigação dos jornalistas da Sábado, o esquema montado pelo BES para fazer chegar 253.360 euros à campanha de Cavaco Silva visava precisamente contornar as regras previstas para o financiamento de campanhas e, assim, assegurar que uma fiscalização a estas contas não identificaria o financiamento ilegal.

“Aconselho-vos apenas a falar com Vasco Valdez que foi o mandatário financeiro das campanhas”, disse ainda o também ex-primeiro-ministro.

Já questionado se terá sido à conta deste apoio recebido por parte do BES que Cavaco Silva garantiu aos portugueses que podiam confiar no banco da família Espírito Santo, Cavaco Silva mostrou-se menos confortável, mas rematou: “Nunca tive nenhuma amizade com Ricardo Salgado.E se alguém quiser saber mais, então que leia a mais de uma dezena de livros que Cavaco escreveu, disse mesmo o ex-líder do PSD.

“As minhas memórias contam palavra por palavra o que eu fiz enquanto fui primeiro-ministro e Presidente da República. Sabe quantos livros publiquei? 14. E como primeiro-ministro foram oito. E está tudo lá. Vá às memórias que tem lá transcrito tudo, palavra por palavra”, respondeu aos jornalistas.

Saco azul do BES financiou Cavaco Silva com 253 mil euros

Em causa nestas declarações de Cavaco Silva está uma investigação da Sábado, que seguiu o rasto a vários cheques que ex-gestores do BES entregaram à campanha de Cavaco Silva, todos na casa dos 25 mil euros, valor máximo permitido por lei para estas doações individuais. Ao todo, o clã dos Espírito Santo deu 253.360 euros a Cavaco Silva, quase metade dos donativos previamente orçamentados pela campanha do ex-líder do PSD.

Ao seguir o dinheiro, a revista identificou então um esquema que serviu para ocultar que o real “benemérito” de Cavaco Silva era uma entidade coletiva, e logo aquela que é hoje conhecida como o “saco azul” do BES, a ES Entreprise, isto quando é proibido a entidades coletivas financiar campanhas. A Sábado aponta que os gestores do BES, depois de entregarem os donativos foram ressarcidos pelo exato valor pela ES em valor idêntico, e em alguns casos através de offshores, num esquema preparado pelo próprio Ricardo Salgado.

Atualmente, o DCIAP encontra-se a investigar este esquema, suspeitando que os gestores do BES envolvidos tenham incorrido no crime de financiamento ilegal de campanhas eleitorais, crime cuja moldura penal varia entre um e três anos de prisão.

As doações a Cavaco Silva reembolsadas pela ES Entreprises foram assinadas por Ricardo Salgado, José Manuel Espírito Santo Silva, Rui Silveira, Joaquim Goes, António Souto, Amílcar Morais Pires, Pedro Fernandes Homem, Manuel Fernando Espírito Santo Silva e António Ricciardi.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saco azul do BES? “Nunca acompanhei os financiamentos das campanhas em que participei”, diz Cavaco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião