E se uma companhia aérea lhe pedir para não voar?

A KLM está a incentivar as pessoas a viajar menos de avião. Apanhar um comboio ou fazer uma vídeo chamada são as alternativas que a companhia apresenta. Tudo para um futuro mais sustentável.

Há uma companhia aérea que o quer pôr a pensar sobre se é mesmo necessário fazer uma viagem de avião ou se, pelo contrário, é possível recorrer a outras opções. A pensar num futuro mais sustentável na área da aviação, e no futuro do planeta, a KLM lançou um vídeo onde apelas aos passageiros que “viajem de forma sustentável”. E isso implica, muitas vezes, optar por não entrar sequer no avião.

O vídeo, que foi lançado na semana passada, apresenta algumas sugestões sobre como é que os passageiros podem ajudar a reduzir as emissões de dióxido de carbono na indústria da aviação. Embora “todos nós tenhamos de voar de vez em quanto, para a próxima pense em voar com responsabilidade”, ouve-se no vídeo.

A ideia é que antes de comprar o bilhete, faça as seguintes questões a si próprio: “Preciso mesmo de reunir-me cara a cara?”, “Posso [em vez do avião] apanhar um comboio?”. Ou pelo menos, questione-se: “Consigo levar menos bagagem comigo?”.

O vídeo faz parte da iniciativa “Fly Responsibly” e foi apresentado no ano em que a KLM celebra o seu centenário aniversário. De acordo com a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês), a iniciativa da empresa holandesa reconhece a problemática que o enorme crescimento do tráfego aéreo está a criar. Segundo as previsões da Airbus SE, nas próximas duas décadas, o tráfego aéreo deverá aumentar 4,5%, contribuindo ainda mais para as emissões de dióxido de carbono.

Veja aqui o vídeo completo da KLM:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se uma companhia aérea lhe pedir para não voar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião