São quase 5 horas em direto. Mas, afinal, quem vê o debate do Estado da Nação?

Alguém vê o debate do Estado da Nação? O ECO mergulhou nas audiências do maior debate político nacional e concluiu: é visto por homens da classe média/alta, com mais de 65 anos e residentes em Lisboa.

O ECO foi tentar saber quem vê o debate do Estado da Nação.Montagem por Lídia Leão/ECO

Se os portugueses que veem o Estado da Nação se juntassem num café para assistir ao debate, como muita gente faz quando dá a bola, facilmente se encontraria entre eles um homem, de classe média ou alta, com mais de 65 anos, oriundo da região de Lisboa. São as características do telespetador médio do principal debate político que acontece todos os anos no hemiciclo da Assembleia da República (AR).

Numa altura em que os grupos parlamentares se preparam para o último debate da legislatura, marcado para esta quarta-feira, 10 de julho, o ECO foi saber quem vê o debate do Estado da Nação na televisão — ou, melhor, se alguém o vê. A resposta é que sim, há quem o veja, mas são sobretudo pessoas mais velhas, com poder de compra e a residir da região mais próxima da capital.

2017, o ano mais quente

Os dados recolhidos pela GfK, cedidos ao ECO pela Impresa, não deixam margem para dúvidas: o debate de 12 de julho de 2017 foi o mais visto da legislatura, tendo sido politicamente um dos mais quentes, marcado pelo rescaldo do incêndio de Pedrógão Grande, pelo assalto a Tancos e pelas dúvidas em torno da manutenção dos ministros Constança Urbano de Sousa e Azeredo Lopes no Executivo.

Contabilizando só quem viu o debate em direto (audiência média), as transmissões dos três principais canais de informação — RTP 3, SIC Notícias e TVI 24 — obtiveram um share conjunto de 7,7%, alcançando perto de 150.200 pessoas. Somando as visualizações em diferido (audiência média total), a transmissão do debate foi vista por um total de cerca de 849.000 pessoas. Um número que não inclui quem viu o debate diretamente no Canal Parlamento, tanto na TV como na internet.

Audiências do Estado da Nação nesta legislatura

Fonte: GfK/Impresa

Mas recuemos um ano, até 7 de julho de 2016, o primeiro debate do Estado da Nação com António Costa sentado na cadeira de chefe do Governo. O principal tema em cima da mesa era a própria génese e identidade da “geringonça”, assim como a alegada existência de um “plano B” do Governo para conseguir manter as contas certas. A meio do debate, Bruxelas anunciava que Portugal não tinha tomado “as medidas necessárias” para evitar um défice acima de 3%, remetendo para o Ecofin a decisão de sancionar ou não Portugal.

A notícia acabou por beneficiar politicamente o primeiro-ministro socialista, uma vez que a análise incidia entre 2013 e 2015, altura em que era Pedro Passos Coelho o responsável. Cerca de 84.200 pessoas assistiram, nos três principais canais de informação do cabo, às críticas dos partidos da esquerda, que acusaram o PSD de “antipatriotismo”. Foi um share conjunto de 4,7%. Somando as audiências em diferido, o número sobe para 302.600 pessoas.

Aceleremos, por fim, até 13 de julho de 2018, dia em que se realizou o mais recente debate do Estado da Nação. Temas políticos em cima da mesa: a aproximação do Governo ao PSD de Rui Rio, novamente o assalto a Tancos, exigências para a divulgação da lista dos maiores devedores da CGD e umas declarações do ministro Augusto Santos Silva, que afirmou que uma nova “geringonça” exigirá um ainda maior compromisso dos parceiros da esquerda.

O debate de 2018 foi o que teve menor share de audiências: 4,5%. Foram 71.600 pessoas, menos 12.600 pessoas do que em 2016. Juntando quem viu sem ser em direto, o número sobe para 614.600 pessoas, mais 312.000 pessoas do que em 2016.

Classe média e alta lidera nas audiências

Arrancámos este artigo com a definição do perfil médio dos telespetadores do Estado da Nação: homens, de classe A/B (média e alta), com mais de 65 anos e residentes na Grande Lisboa. Mas a análise dos dados mostra algumas especificações que vale a pena ter em conta.

Por exemplo, no debate de 2017, que ficou marcado pelo grande incêndio de Pedrógão Grande e pelo assalto aos paióis de Tancos, o número de telespetadores oriundos da zona centro do país aumentou 1,8 pontos percentuais em percentagem do share. Por outras palavras, os temas do debate atraíram o interesse de mais gente destas regiões, segundo os dados da GfK/Impresa.

Além disso, houve mais gente de outras classes económicas a assistirem à discussão parlamentar. E, ao nível da faixa etária de quem assistiu, a esmagadora maioria dos telespetadores tinha entre 65 e mais de 75 anos. Ou seja, o debate de 2017, além de ter sido o mais visto, impactou uma faixa mais alargada da população portuguesa, comparativamente com os outros dois anos desta legislatura.

Já na última edição, a de 2018, o debate interessou muito mais a quem estava em Lisboa do que a quem esteve nas outras regiões do país. Isto porque a esmagadora maioria de quem assistiu ao debate residia na capital portuguesa e respetivas proximidades.

O debate do Estado da Nação em 2017 foi o mais visto. Um dos momentos mais marcantes foi a crítica de António Costa à Altice Portugal por causa das falhas do SIRESP: “Por mim, já fiz a minha escolha da companhia [de telecomunicações] que utilizo”, rematou o primeiro-ministro.MÁRIO CRUZ/LUSA

Alcance do Canal Parlamento difícil de calcular

Os dados que citámos nos parágrafos anteriores dizem respeito, como vimos, às audiências dos três principais canais de informação do cabo. Mas estes não foram os únicos a transmitirem os debates do Estado da Nação. O Canal Parlamento, que é o órgão audiovisual oficial da AR, também transmitiu estes debates, mas o alcance que teve é muito difícil de calcular com exatidão.

“Dados certos não temos, mas também gostávamos de ter”, comentou Francisco Feio, coordenador do Canal Parlamento, em conversa com o ECO. “Até porque o nosso sinal é transmitido por nós, mas também pelas televisões todas”, lembrou. Ainda assim, o responsável reconheceu que “o debate do Estado da Nação é sempre um dos mais vistos”, acompanhados de perto pelos debates quinzenais. Quanto ao perfil de quem os vê, o coordenador ainda arriscou um palpite: “São cidadãos comuns que estão interessados no debate e pessoas dos ministérios” do Governo, apontou.

O nosso sinal é transmitido por nós, mas também pelas televisões todas.

Francisco Feio

Coordenador do Canal Parlamento

Dados não auditados do site oficial do Canal Parlamento, recolhidos com recurso ao Google Analytics e avançados ao ECO por Francisco Feio, parecem confirmar a tendência dos dados oficiais das televisões. O debate de 2017 foi mesmo o mais visto. Segundo Francisco Feio, cerca de 16.000 pessoas viram o debate de 2017, contra as 7.000 que terão visto em 2018. Quanto a 2016, não há dados disponíveis, e mesmo os dos restantes anos são meramente indicativos e poderão ter uma margem de erro relativamente grande, alertou o profissional.

Comentários ({{ total }})

São quase 5 horas em direto. Mas, afinal, quem vê o debate do Estado da Nação?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião