CP gastou meio milhão em autocarros por causa das avarias nos comboios

Com "gastos operacionais reduzidos a mínimos indispensáveis", CP gastou 500 mil euros em autocarros para compensar cancelamentos por avarias ao longo do ano passado. Algarve foi região mais afetada.

A CP – Comboios de Portugal gastou quase 500 mil euros no ano passado a alugar autocarros para efetuar o transbordo rodoviário de passageiros, a forma encontrada pela empresa para compensar os utentes pelos vários cancelamentos ou supressões de última hora a que foi obrigada por greves ou falhas do material. Dois terços desta despesa serviram para compensar supressões de e para o Algarve.

Segundo valores da transportadora ferroviária, ao todo, o transbordo rodoviário de passageiros obrigou a CP a uma despesa de 491.289 euros em 2018, dos quais 329 mil euros (67%) foram necessários só para as ligações para a região algarvia. Esta terá sido a região mais afetada pelos cancelamentos ou supressões no ano passado, pelo menos a julgar pela larga diferença na despesa face aos valores gastos em transbordos nas restantes.

De acordo com a desagregação regional apresentada pela própria CP, a segunda zona onde mais foi necessário avançar com transbordos rodoviários foi nas ligações para o Oeste, onde a empresa precisou de gastar 85 mil euros em alugueres de autocarros. Seguiu-se o Douro/Minho e o Vouga, ambos a exigirem perto de 20 mil euros em transbordos, e depois o Alentejo e o Leste, com perto de sete mil euros cada. Já para outros destinos, rotulados como “diversos”, a CP gastou 18,8 mil euros em alugueres de autocarros.

Em 2018, a CP suprimiu um total de 12.031 comboios, dos quais 8.436 devido a greves na empresa ou na Infraestruturas de Portugal. Mas além dos casos ligados à insatisfação laboral, certo é que mais de 3.500 comboios foram suprimidos por anomalias de material ou outras causas. É que tal como já assumiu Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, com tantos cortes nos gastos da CP, o barato está a sair caro. E a própria empresa assume que as restrições financeiras a que está sujeita a deixam hoje no limite.

“Em termos de sustentabilidade económica, a CP enfrenta atualmente fortes constrangimentos à sua operação tanto no que se refere à obsolescência do material circulante de tração diesel e dos equipamentos e sistemas de venda e informação”, refere a administração da empresa no relatório e contas do ano passado. Onde alertam: “Os gastos operacionais estão reduzidos aos mínimos indispensáveis para assegurar a operacionalidade e segurança da atividade.”

E aqui entra a equação complicada do ponto de vista do Governo: as necessidades que a CP foi acumulando já são tantas que quando se começam a somar parcelas às várias necessidades básicas da empresa, os totais rapidamente assustam o Ministério das Finanças.

“Temos consciência que há um grande objetivo, de estabilidade das contas públicas, e dentro desse quadro queremos provar que empresa e Estado ganham se apostarmos na recuperação da CP e da EMEF, que passa por investir, contratar, ter contrato de serviço publico e paz social. Mas quando começamos a fazer esta lista, percebemos rapidamente que estamos a falar de investimentos avultados. É um jogo difícil de fazer”, conforme Pedro Nuno Santos explicou aos deputados da comissão de Economia e Obras Públicas, no final de abril.

Comentários ({{ total }})

CP gastou meio milhão em autocarros por causa das avarias nos comboios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião