Comboios avariados e falta de material levam CP a cortar 3.093 ligações

  • Lusa
  • 27 Março 2019

Número de viagens suprimidas à conta de avarias ou anomalia no material circulante é ultrapassado pelas viagens cancelas por greve: 8.436 ligações.

A CP – Comboios de Portugal suprimiu 12.031 comboios no ano passado, sendo que 8.436 devido a greves na operadora e na Infraestruturas de Portugal, adiantou a empresa em resposta à Lusa.

Além das paralisações laborais, a CP suprimiu comboios por avaria ou anomalia de material (3.093) e outras causas (502), de acordo com os mesmos dados. Segundo a companhia, estas causas não especificadas incluem “situações relacionadas com infraestrutura, acidentes/incidentes, condições meteorológicas”, entre outras.

A CP recordou ainda que, em 2018, “registaram-se 10 dias de greve no setor ferroviário com impacto significativo na operação da CP. Em 2019, até este momento, não se registaram greves com impacto na operação”.

No ano passado, foram realizados 431.120 comboios, adiantou a empresa.

A CP usa o índice de regularidade para monitorização e avaliação dos seus serviços, que consiste no número de comboios programados face ao número de realizados. “Em 2018, esse índice foi de 97,02%”, ou seja, “realizou 97% dos comboios programados”, revelou a empresa.

No início deste ano, a performance melhorou. Em 2019, o índice de regularidade regista uma subida face aos valores do ano anterior, com janeiro a atingir 99,27% e fevereiro a fechar com 99,06%.

De acordo com a transportadora, estes “valores traduzem uma melhoria da ‘performance’ da CP, que fica a dever-se às medidas implementadas para fazer face aos constrangimentos registados ao nível do parque de material circulante, particularmente, no material diesel”.

Estas medidas passam pela contratação de 102 trabalhadores para a EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário) “que veio permitir o aumento da capacidade de resposta e, consequentemente, melhorar os níveis de disponibilidade de material da CP”, assim como pelo reforço do parque de automotoras diesel que foram alugadas à espanhola Renfe, com mais quatro composições, sendo que a primeira já está ao serviço.

“A segunda unidade deverá chegar a Portugal nas próximas semanas. A entrega das restantes unidades está prevista para os meses de junho e setembro”, de acordo com a mesma fonte.

Além disso, a CP está a analisar cinco candidaturas para o fornecimento de 22 comboios, pelas empresas Patentes Talgo SLU, Standler Service Nederland, Construciones y Auxiliar de Ferrocarriles, Alstom Transporte e Siemens Mobility Unipessoal. O concurso está avaliado em 168 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comboios avariados e falta de material levam CP a cortar 3.093 ligações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião