“Se Von der Leyen ganhasse por um voto, já seria uma vitória”, diz Rangel

  • Lusa e ECO
  • 16 Julho 2019

PSD e PS elogiaram objetivos definidos pela candidata à presidência do Conselho Europeu. No entanto, ainda não há certezas de vitória na votação que irá acontecer às 17h de Lisboa.

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel afirmou esta terça-feira que se Ursula Von der Leyen for eleita presidente da Comissão Europeia apenas por um voto poderá ‘cantar’ vitória, devido ao “processo controverso” da sua indicação pelo Conselho Europeu. Tanto do lado dos sociais-democratas como do PS, pelo eurodeputado Pedro Marques, houve elogios à alemã.

“Tendo em conta o panorama que temos, se ela ganhasse por um voto já seria uma vitória para ela. Como se criou aqui uma grande incerteza e o processo foi um processo controverso, ela ganhou uma vantagem da expectativa não ser uma expectativa alta. Ainda hoje, a poucas horas, não sabemos [se será eleita]”, referiu o também vice-presidente do Partido Popular Europeu, a família política da política alemã.

Paulo Rangel, que falava aos jornalistas em Estrasburgo após ter ouvido o discurso de Ursula Von der Leyen na sessão plenária do Parlamento Europeu (PE), insistiu que se a candidata obtiver mais de 400 votos terá “uma grande vitória” e que a ainda ministra alemã da Defesa não precisa de “uma maioria forte”, notando, no entanto que, caso tal aconteça, isso dar-lhe-ia “uma grande alavanca”.

O nome de Ursula von der Leyen foi o ‘eleito’ pelo Conselho Europeu em 2 de julho, depois de uma longa maratona negocial que se prolongou durante três dias.

O processo foi duramente criticado por todas as famílias políticas no debate com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, realizado dois dias depois, sobretudo por os Estados-membros terem deixado cair o modelo dos “candidatos principais”, ou Spitzenkandidat, que fora introduzido em 2014 e que o Parlamento queria que continuasse a servir para a eleição do presidente da Comissão.

Na votação agendada para as 18h00 (menos uma hora em Lisboa), Von der Leyen necessita obter uma maioria absoluta – metade dos eurodeputados mais um — para suceder ao luxemburguês Jean-Claude Juncker na presidência do executivo comunitário.

Neste momento, o número de eurodeputados que compõem o hemiciclo é de 747 e não 751, pelo que a política alemã necessitaria de 374 votos favoráveis, expectavelmente vindos do seu PPE, dos socialistas e dos liberais, que juntos somam 444 assentos.

Para o eurodeputado do PSD, Von der Leyen mostrou “uma visão e uma ambição para a Europa, uma visão realista ao mesmo tempo, capaz de perceber as dificuldades, razoável também, no sentido que procurou fazer um compromisso entre as diferentes exigências dos grupos parlamentares”, num discurso “bastante distribuído” pelos três grupos políticos cujo apoio necessita para garantir a sua eleição, mas no qual também ‘couberam’ os Verdes.

Também o socialista Pedro Marques elogiou os objetivos definidos pela alemã no discurso inicial, dizendo que “olhou bem para o nosso programa e para as expectativas dos cidadãos”. O eurodeputado do PS acrescentou: “A Europa precisa de ação urgente, pelo que foi bom ver que não hesitou a assumir os compromissos que vão ao encontro do que os cidadãos querem: conquistas claras. Temos desafios enormes nas nossas mãos, nomeadamente a aprovação de um orçamento adequado para a Europa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Se Von der Leyen ganhasse por um voto, já seria uma vitória”, diz Rangel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião