Dijsselbloem e Carney fora da corrida pelo FMI. Centeno, Calviño e Rehn continuam na lista

  • ECO
  • 18 Julho 2019

Falta de apoio dos governos europeus leva a riscar os nomes do holandês e do governador do Banco de Inglaterra. Com a exclusão destes candidatos, Centeno, Calviño e Rehn vêem hipóteses reforçadas.

A falta de apoio dos governos europeus às candidaturas de Jeroen Dijsselbloem e Mark Carney ao cargo de topo do Fundo Monetário Internacional (FMI) levou à exclusão destes dois nomes das listas de potenciais candidatos, que agora fica reduzida a três hipôteses, incluindo Mário Centeno, ministro das Finanças português e líder do Eurogrupo.

Segundo avança o Politico (conteúdo em inglês), o holandês Dijsselbloem, um ilustre desconhecido até ser desencantado pelos governos da zona euro para liderar o Eurogrupo, não convenceu nem italianos, nem ingleses, que se juntaram aos países do Sul da Europa, aqueles que Dijsselbloem apontou como tendo populações que só gastam dinheiro em “álcool e mulheres”.

O apuramento das posições de cada governo em relação aos candidatos ao FMI foi depurada nos últimos dias, durante encontros informais tidos à margem do encontro de ministros das finanças e de governadores de bancos centrais do G7, em Chantilly, França, adianta o Politico.

Além do nome do holandês ter sido riscado, também o nome de Mark Carney não sobreviveu a este encontro informal. A falta de apoio ao inglês está intimamente ligada ao Brexit, que nesta altura desmotiva muitos executivos europeus a apoiar algo vindo da Grã-Bretanha.

A saída destes dois nomes da lista de potenciais líderes do FMI, adianta ainda o Politico, acaba por reforçar as hipóteses dos restantes candidatos, com a lista agora reduzida a três nomes: Mário Centeno, Nadia Calviño, ministra da Economia de Espanha, e o líder do banco central finlandês, Olli Rehn.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem e Carney fora da corrida pelo FMI. Centeno, Calviño e Rehn continuam na lista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião