França coordena processo de escolha de candidato único europeu ao FMI

  • Lusa
  • 19 Julho 2019

França, que agora preside ao grupo internacional G7, disponibilizou-se para “ajudar a conciliar os pontos de vista europeus” no âmbito da escolha de um candidato comum ao FMI.

O Governo francês vai coordenar os trabalhos entre os países da União Europeia (UE) para escolha de um candidato único ao Fundo Monetário Internacional (UE), após se ter voluntariado para “conciliar pontos de vista europeus”, foi esta sexta-feira divulgado.

De acordo com fontes comunitárias consultadas pela agência noticiosa espanhola Efe, França, que agora preside ao grupo internacional G7, disponibilizou-se para “ajudar a conciliar os pontos de vista europeus” no âmbito da escolha de um candidato comum ao FMI, prescindindo assim de apresentar um francês.

Os países europeus procuram uma candidatura “de consenso” para substituir Christine Lagarde como diretora-geral do FMI, revelou na quinta-feira o ministro das Finanças francês, afirmando esperar que isso aconteça até ao fim do mês.

Segundo a agência Efe, Bruno Le Maire, questionado em conferência de imprensa sobre se tinha sido discutida na reunião de ministros das Finanças do G7, que decorreu em França, a possibilidade de o cargo ser ocupado pela ministra da Economia espanhola, Nadia Calviño, disse que não ia citar nomes.

Na quarta-feira, The Wall Street Journal indicou, citando fontes europeias, que na reunião de ministros do G7 foram discutidos quatro nomes, incluindo o do ministro das Finanças português, Mário Centeno, que atualmente preside ao Eurogrupo.

Nadia Calviño, o governador do banco central da Finlândia, Ollin Rehn, e o ex-ministro das Finanças holandês Jeroen Dijsselbloem, que também presidiu ao Eurogrupo, foram os outros nomes avançados pelo jornal.

O ministro francês disse que há acordo sobre o processo de seleção, que consiste em procurar “uma candidatura europeia de consenso, que seja sólida, credível e que permita à Europa continuar a liderar o FMI”.

Le Maire acrescentou que o objetivo é conseguir alcançar um compromisso “até finais de julho”.

Lagarde deixa a liderança do FMI a partir de 12 de setembro para presidir ao Banco Central Europeu (BCE), substituindo Mario Draghi, que termina o seu mandato no dia 31 de outubro.

O G7 é o grupo internacional composto pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, tendo ainda presença da UE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França coordena processo de escolha de candidato único europeu ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião