Chamas destruíram duas casas de primeira habitação em Mação

  • Lusa
  • 22 Julho 2019

O incêndio que começou em Vila de Rei no sábado e que alastrou a Mação atingiu duas casas de primeira habitação e desalojou duas pessoas neste município.

O incêndio que começou no sábado em Vila de Rei e que alastrou a Mação atingiu duas casas de primeira habitação e desalojou duas pessoas neste município, disse esta segunda-feira à agência Lusa o presidente da Câmara, Vasco Estrela.

“Temos a confirmação de duas casas de primeira habitação ardidas, em Azinhal e Roda de Cardigos, e temos também algumas situações que ainda estamos a avaliar, que eram casas de segunda habitação, casas já com alguma degradação. Temos vários anexos que estão também ardidos”, disse o presidente da Câmara de Mação.

Segundo Vasco Estrela, já estão no terreno elementos da Segurança Social e técnicas do Serviço de Ação Social da Câmara Municipal de Mação, que “vão começar a rastrear toda a zona” no sentido de esclarecer bem todas as situações e “também falar com as populações e perceber melhor as necessidades”.

De acordo com o presidente da autarquia, “há duas pessoas desalojadas, que estão [acolhidas] na Santa Casa da Misericórdia de Cardigos, precisamente porque não têm as suas habitações, que foram destruídas pelos incêndios”.

Apesar de Mação não ter o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil ainda aprovado – está para aprovação na Autoridade Nacional de Proteção Civil -, o autarca admitiu que “tudo funcionou de acordo com aquilo que está determinado e que há muitos anos é praticado no concelho” para prestar o apoio às pessoas.

“Ainda está a decorrer o incêndio e já estão entidades da Câmara no terreno. A Santa Casa da Misericórdia de Cardigos colaborou, todas as entidades colaboram, conforme tem sido habitual na Câmara Municipal de Mação, ao longo de muitos anos, independentemente dos formalismos do Plano Municipal de Emergência”, apontou.

Vasco Estrela disse ainda que em todos os locais onde foi necessário fazer a evacuação ou encontrar um ponto de encontro para situações de pânico ou de fuga, isso foi feito, como refere o programa Aldeias Seguras, Pessoas Seguras.

O programa Aldeias Seguras “pouca aplicação tem tido no território” nacional, admitiu, acrescentando que a Câmara Municipal que lidera tem, há 13 anos, um programa, que está a ser replicado pelo Governo, de distribuição de motobombas junto das populações.

“Temos também essa ferramenta aplicada cá desde 2007. Portanto, ficamos muito satisfeitos por ver o Governo e pessoas com responsabilidades a replicarem aquilo que Mação tem feito ao longo dos anos: a tentativa de evitar problemas para as pessoas”, rematou.

Pelas 11:20, o autarca disse à Lusa que estavam a verificar-se “alguns pequenos reacendimentos” do incêndio em redor da vila de Cardigos, que estavam a ser combatidos por meios terrestres e aéreos.

“Com o aumentar da temperatura e do vento, é isto que é normal que aconteça. Infelizmente. Estamos a tentar resolver estas situações”, afirmou.

Segundo Vasco Estrela, os meios estavam a “conseguir controlar a situação” e os trabalhos de combate às chamas decorriam “razoavelmente bem”, embora a área atingida fosse “muito grande”.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém.

O incêndio de Vila de Rei e Mação é o único que continua por controlar e tem mobilizado várias centenas de operacionais e de meios de combate.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chamas destruíram duas casas de primeira habitação em Mação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião