Sócrates recusou alterar acordo que favorece Berardo na instalação da sua coleção no CCB

  • ECO
  • 22 Julho 2019

Cavaco Silva alertou José Sócrates para os benefícios que o seu Governo concedeu a Joe Berardo, mas o ex-primeiro-ministro não deu grande importância.

Cavaco Silva alertou José Sócrates para os benefícios que o seu Governo concedeu a Joe Berardo para instalar a sua coleção no Centro Cultural de Belém (CCB), avança o Observador (acesso pago), mas o ex-primeiro-ministro recusou alterar o acordo que tinha. Um acordo que está, agora, está sob investigação do Ministério Público (MP) no caso Caixa Geral de Depósitos (CGD). Contudo, Sócrates afirma que não foi informado desses “avisos”.

Na altura em que liderava o país, José Sócrates negociou, fechou e assinou vários acordos com Joe Berardo, para que este instalasse no CCB a sua coleção de obras de arte. Cavaco Silva, na altura Presidente da República, alertou o ex-primeiro-ministro para os riscos desse acordo que, no seu entendimento, não respeitava o interesse público.

Cavaco Silva baseou-se em seis pareceres dos seus serviços jurídicos que criticavam o acordo assinado pelo Governo de Sócrates em abril de 2006, dado que estes levavam “longe de mais o reconhecimento dos interesses do colecionador José Berardo, com prejuízo dos interesses do Estado”, através de cláusulas “altamente obscuras”, “singulares” e “controversas”, lê-se nos pareceres de Cavaco Silva, citados pelo Observador, enviados em julho desse ano.

Além disso, foi ainda referido o “entreposto de imunidade em relação à classificação das obras”, a “posição de controlo ou golden share eterna” dos herdeiros Berardo e o facto de nada poder ser alterado nos acordos assinados sem “autorização pessoal” de Berardo.

Nunes Liberato, chefe da Casa Civil do Presidente Cavaco Silva, assegura que “os pareceres da Casa Civil foram comunicados ao gabinete do primeiro-ministro, como era normal” e que, por isso mesmo, “o Governo sentiu necessidade de alterar o diploma”.

Contudo, José Sócrates tem uma versão diferente da história. “Nunca conheci esses pareceres de que fala. Os pareceres da Casa Civil servem para aconselhar o Presidente, não o Governo”, afirmou o ex-primeiro-ministro ao mesmo jornal.

Nuno Liberato vai mais longe e acrescenta ter tido “contactos intensos” com Pedro Silva Pereira, então ministro da Presidência do Conselho de Ministros e braço-direito de Sócrates. A verdade é que o Executivo de Sócrates enviou para a Presidência da República um novo projeto de diploma no dia 21 de julho de 2006 (com alterações de mínimas, mas de pormenor), o que demonstra realmente que Sócrates teve conhecimento dos pareceres da Casa Civil.

Segundo o Observador, o MP está a investigar este negócio feito entre o Governo Sócrates e Berardo e a eventual relação que existe entre tal acordo e os empréstimos de cerca de 400 milhões de euros que a CGD concedeu a entidades controladas por Berardo entre 2006 e 2008.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sócrates recusou alterar acordo que favorece Berardo na instalação da sua coleção no CCB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião