Governo dá “luz verde” a investimento de mais de mil milhões no porto de Sines

O Governo aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros dois diplomas que dizem respeito a um investimento de mais de mil milhões no porto de Sines.

O Executivo de António Costa aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros o decreto-lei que autoriza o concurso público internacional e estabelece as bases da concessão do novo terminal de contentores no porto de Sines. Em causa, está um investimento privado de 642 milhões de euros, avançou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, em conferência de imprensa.

Este é um momento importante para o sistema portuário nacional e para a economia nacional“, disse a governante, esta tarde. Este projeto custará 642 milhões (que serão 100% suportados por privados) não só a construção de um cais, mas também a aposta em equipamentos e funcionalidade que “permitirão colocar este terminal nas rotas internacionais”.

“Este investimento privado, a atribuir em procedimento de contratação internacional, vai ao encontro dos objetivos do Governo em matéria de infraestruturas portuárias, com reflexos na economia ao nível da criação de emprego, da exportação de serviços e facilitação das exportações nacionais”, acrescenta o Governo, em comunicado.

Esta quinta-feira foi ainda aprovado o decreto-lei que “altera as bases de concessão da exploração, em regime de serviço público, do Terminal XXI”, também no porto de Sines. Este diploma vai permitir a expansão do terminal em causa para quase o dobro da capacidade, num investimento de 547 milhões de euros a ser integralmente suportados pela PSA.

“Neste momento, Sines já não tem capacidade para acolher toda a procura que tem e com estes investimentos passará a poder acolher essa procura“, rematou Ana Paula Vitorino.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo dá “luz verde” a investimento de mais de mil milhões no porto de Sines

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião