Spread da casa caiu para 1,5% em 2018. Créditos a taxa variável ganharam peso com juros em mínimos

O spread médio dos contratos a taxa variável e indexados à Euribor a 3, 6 e 12 meses foi de 1,51 pontos percentuais, 23 pontos base abaixo do spread médio de 2017.

A “guerra” dos bancos foi proveitosa para quem fez um crédito para comprar casa no ano passado. O spread médio aplicado nos novos contratos de crédito à habitação caiu para 1,51 pontos percentuais, revelou o Banco de Portugal nesta quinta-feira. Ao mesmo tempo as famílias não se deixaram cativar pelos empréstimos de taxa fixa, com a aposta na taxa variável a ser reforçada.

“O spread médio voltou a diminuir em 2018, mantendo-se a tendência de redução que se verifica desde 2015″, começa por referir o regulador da banca no Relatório de Acompanhamento dos Mercados Bancários de Retalho de 2018. De acordo com aquela entidade, o spread médio dos contratos a taxa variável e indexados à Euribor a 3, 6 e 12 meses foi de 1,51 pontos percentuais, 23 pontos base abaixo do spread médio de 2017. Daí que a TAN média aplicável a esses contratos se tenha situado nos 1,33%, abaixo dos 1,55% em 2017.

Esse corte no spread médio ocorreu num ano marcado por consecutivas revisões em baixa nas margens mínimas exigidas pelos bancos para financiar a compra de casa. Comportamento que tem tido seguimento este ano e que colocou atualmente no intervalo entre 1% e 1,25% as margens mínimas exigidas para dar crédito à habitação.

Ao fazerem estes cortes os bancos têm como objetivo impulsionar a concessão de crédito num ambiente de juros mínimos históricos. Em 2018, acabaram por conceder 9,5 mil milhões de euros de crédito à habitação, por intermédio de 87.906 novos contratos. Ou seja, aumentos de 23,4% e 13,4%, respetivamente, face ao verificado em 2017.

Taxa variável ganha adeptos. Euribor a 12 meses com 93,8% dos contratos

Já no que respeito ao tipo de contrato, a taxa variável não só concentrou a grande parte do crédito à habitação celebrado, como até reforçou importância. A proporção do número de contratos celebrados a taxa variável aumentou para 85,9%, acima dos 81,3% registados em 2017, correspondendo a 87,8% do montante de crédito concedido (83,2% em 2017). Isto num contexto de mínimos históricos nos juros.

O grosso das operações de financiamento para a compra de casa a taxa variável foi feito com Euribor a 12 meses, indo ao encontro da oferta da banca que na sua maioria apenas disponibiliza esse indexante. “Dos contratos celebrados a taxa variável, a generalidade (93,8%) estava indexada à Euribor a 12 meses, tendo a importância deste indexante aumentado, face a 2017 (92,5%)”, diz o Banco de Portugal.

“A prevalência da Euribor a 12 meses ocorre num contexto em que, apesar das ligeiras subidas, as taxas de juro Euribor a 3, 6 e 12 meses se mantiveram em valores negativos durante todo o ano de 2018″, contextualiza a entidade liderada por Carlos Costa.

Em contrapartida, diminuiu o peso dos contratos celebrados a taxa mista (de 16,9%, em 2017, para 12,3%, em 2018), enquanto o peso dos contratos a taxa fixa não se alterou (1,8%), com as famílias a não se deixarem tentar pelas campanhas de taxa fixa promovidas pelos bancos.

Já o prazo médio dos novos contratos de crédito à habitação aumentou um mês, para 33,4 anos, indo em contraciclo com os objetivos do Banco de Portugal que no âmbito da medida macroprudencial que entrou em vigor a 1 de julho do ano passado incluiu a descida das maturidades dos empréstimos como um requisito a seguir pelos bancos.

(Notícia atualizada às 14h00 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Spread da casa caiu para 1,5% em 2018. Créditos a taxa variável ganharam peso com juros em mínimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião