Economia norte-americana falha objetivo de Trump. Cresce menos de 3%

  • ECO
  • 26 Julho 2019

O Departamento de Comércio dos EUA reviu em baixa estimativa da evolução do PIB em 2018 para 2,9%, contra os 3% prometidos por Donald Trump. Ainda assim, PIB cresceu mais que em 2017 e 2016.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos reviu em ligeira baixa a estimativa para a evolução do produto interno bruto (PIB) da economia norte-americana em 2018, apresentando um crescimento de 2,9% contra os anteriores 3%, avança o Washington Post, que recorda as “declarações frequentes” de Donald Trump sobre como o crescimento de “3% ou mais” seria a prova de que os cortes fiscais a favor dos mais ricos eram as medidas mais corretas a tomar.

A revisão das estimativas por parte deste ramo do governo norte-americano foram justificadas por um menor nível de investimento das empresas em infraestruturas, equipamentos e software face ao anteriormente pensado, explica o Departamento de Comércio. Agora, já com dados mais detalhados em mão, as contas levaram à revisão do valor global.

Além do Washington Post, também a Reuters e o Wall Street Journal destacam como os novos números para o PIB dos EUA representam um “golpe” nas previsões do presidente norte-americano. Contudo, e apesar de falhar a meta simbólica dos 3%, certo é que em termos mais globais a revisão em alta não altera a trajetória da economia norte-americana. O PIB dos EUA cresceu menos de 2% em 2016 e 2,2% em 2017, pelo que 2018 ainda surge como o melhor dos últimos três anos.

Apesar da revisão da evolução do PIB global norte-americano ter colocado o crescimento em 2,9%, a revisão do Departamento de Comércio também olhou para o PIB associado a bens e serviços, que acabou revisto de 3% para 2,5%.

“Ambas as formas de medir [o PIB] mostram que o crescimento económico do ano passado ficou aquém dos objetivos definidos pela Administração Trump no Orçamento para 2018”, sintetiza o WSJ.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia norte-americana falha objetivo de Trump. Cresce menos de 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião