EDP vai receber propostas por ativos ibéricos até ao fim do mês

CEO António Mexia reafirmou que há muito interesse nos ativos que a elétrica pôs no mercado. Há cerca de uma dezena de candidatos na corrida.

A EDP vai receber, até ao final do mês, propostas pelos ativos hídricos, na Península Ibérica, que tem disponíveis no mercado. Numa conference call com analistas esta sexta-feira, o CEO António Mexia garantiu que há forte interesse por estas vendas. A partir de agosto, a elétrica vai analisar as ofertas não vinculativas.

“Construímos um mix que faz sentido geograficamente que permita a quem ficar com os ativos uma gestão que faça sentido. O nosso cenário base é claramente não mantermos a operação. Se necessário, poderemos fazê-lo, mas vai depender do comprador. Esperamos receber propostas não vinculativas até ao final do mês”, disse Mexia quando questionado sobre o processo.

A EDP anunciou em março que vai vender ativos, esperando um encaixe de 6.000 milhões de euros, com o objetivo de alcançar financiamento para apostar nas energias renováveis. A venda de negócios não estratégicos, como ativos em regime de mercado e centrais térmicas em Portugal e Espanha, poderá gerar um encaixe de 2.000 milhões de euros.

Tal como já tinha dito na conferência de apresentação de resultados relativos a 2018, Mexia sublinhou que “há um forte interesse” nestes ativos. Após as manifestações iniciais de interesse, cerca de uma dezena de empresas foram convidadas a fazer propostas. Apesar de várias publicações terem avançado potenciais interessados, a espanhola Endesa foi a única a confirmar que irá apresentar uma proposta.

A alienação de ativos deverá ser concretizada nos próximos 12 a 18 meses. Desde a apresentação do plano estratégico, o grupo vendeu 997 megawatts de capacidade instalada em parques onshore por cerca de 800 milhões de euros, o que representam “melhores avaliações que o esperado”, segundo o gestor.

EDP e Engie já estão a trabalhar. No Brasil, mudanças só com o apoio da CTG

Outra das grandes mudanças no grupo desde a apresentação desse plano prende-se com a joint-venture criada em partes iguais com a francesa Engie. O projeto foi conhecido ainda sem nome (e assim continua), mas com o objetivo de se tornar líder no eólico offshore. Mexia confirmou que que as duas equipas estão a trabalhar com foco nessa meta, mas não adiantou mais pormenores a atividade.

A parceria com a Engie deu azo a notícias sobre uma possível solução semelhante no Brasil. Na conference call, o gestor foi questionado sobre a hipótese de uma fusão de ativos no Brasil com a China Three Gorges.

“A especulação sobre o Brasil não vale a pena gastarmos o nosso tempo. O Brasil desempenha um papel importante da nossa atividade. Não vamos tomar nenhuma decisão em relação ao Brasil que não faça sentido e não vamos tomar nenhum caminho que não seja no interesse do nosso acionista maioritário“, afirmou Mexia.

A conference call aconteceu no seguimento da apresentação de resultados semestrais da EDP. A elétrica portuguesa fechou a primeira metade do ano com lucros de 405 milhões, um crescimento de 7% face ao mesmo período do ano passado. Esta melhoria é explicada pela atividade internacional. Por outro lado, o mercado português continua a penalizar as contas do grupo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP vai receber propostas por ativos ibéricos até ao fim do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião