Endesa foi convidada para o processo da venda de ativos da EDP

  • Lusa
  • 23 Julho 2019

O presidente executivo da Endesa manifesta interesse nos ativos hidráulicos que a EDP quer vender e adiantou que a energética foi convidada a participar no processo.

O presidente executivo da Endesa, José Bogas, manifestou esta terça-feira interesse nos ativos hidráulicos que a EDP quer vender e adiantou que a energética foi convidada a participar no processo.

Bogas, durante uma conferência com analistas em que apresentou os resultados da empresa no primeiro semestre do ano, recordou que há um processo formal já em andamento para a aquisição desse pacote de ativos hidráulicos da EDP na Península Ibérica, tendo sido fixado o dia 31 de julho como prazo final para a apresentação de ofertas não vinculativas.

José Bogas explicou que a Endesa está interessada nesses ativos, como em todas as oportunidades que surjam para crescer no mercado ibérico, mas sempre procurando a criação de valor para os acionistas.

A EDP anunciou em março passado que iria realizar vários processos de venda de ativos, para um encaixe de 6.000 milhões de euros, com o objetivo de alcançar financiamento para sua aposta nas energias renováveis.

No plano estratégico da EDP 2019-22, apresentado aos investidores e analistas em Londres, a empresa referiu a intenção de encaixar mais de 2.000 milhões de euros com a venda de negócios não estratégicos para o grupo, identificando sobretudo ativos em regime de mercado e centrais térmicas em Portugal e Espanha.

Esta alienação de ativos deverá ser concretizada “nos próximos 12 a 18 meses”, indicou na altura a EDP.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endesa foi convidada para o processo da venda de ativos da EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião