China Three Gorges quer ficar com ativos da EDP no Brasil

  • ECO
  • 4 Junho 2019

A maior acionista da elétrica portuguesa pretende avançar com a fusão de ativos no Brasil, segundo noticia a Bloomberg.

A China Three Gorges, maior acionista da EDP, quer fundir os ativos que detém no Brasil com os da elétrica portuguesa no mesmo país, segundo noticia a Bloomberg, citando fontes próximas do processo. Caso o negócio avance, a CTG poderá vir a controlar a nova empresa que resulte da fusão.

As negociações para a fusão estarão ainda numa fase inicial, de acordo com a agência. A empresa estatal chinesa controla 23% do capital da EDP e tentou, em maio de 2018, comprar o restante capital. A oferta pública de aquisição (OPA) acabou por cair quase um ano depois.

A EDP é acionista maioritária (com 51% do capital) da EDP Brasil e a hipótese de uma fusão dos negócios brasileiros já tinha sido levantada pela Reuters. O acionista ativista Elliott — que entrou no capital da EDP em novembro do ano passado e manifestou-se pela primeira vez em fevereiro — defendeu a venda do negócio brasileiro, dizendo que poderia render 2,3 mil milhões de euros.

A EDP Brasil acumula uma valorização de 33% em bolsa brasileira desde o início do ano. Às 15h20, os títulos da unidade brasileira valorizam 5% para 20,59 reais, enquanto a elétrica sobe 1,44% para 3,32 euros, em Lisboa.

EDP tinha já anunciado mudanças estratégicas, incluindo um plano de venda de ativos, e esta notícia surge menos um mês depois de a EDP ter anunciado uma joint-venture com a francesa Engie com foco na energia eólica offshore. Nesse caso, o objetivo é criar um líder mundial no mercado de energias renováveis através da parceria em que cada empresa terá partes iguais e entrar em mercados asiáticos como o Japão ou a Coreia do Sul.

Na altura, o CEO António Mexia garantiu que não houve qualquer relação entre o negócio e o fim da OPA, mas explicou ter recebido o aval do acionista maioritário. “O que anunciámos foi aprovado de acordo com as regras do jogo e pelos principais acionistas”, afirmou Mexia, acrescentando, no entanto, que a joint-venture “é uma relação exclusiva” entre a EDP e a Engie pelo que a CTG não será incluída.

(Notícia atualizada às 15h34 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China Three Gorges quer ficar com ativos da EDP no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião