Houve mais notas apreendidas. Dispararam as falsificações de notas de maior valor

  • ECO
  • 26 Julho 2019

O Banco de Portugal retirou de circulação quase 7.500 notas contrafeitas nos primeiros seis meses do ano. Falsificações continuam, no entanto, a ser "residuais".

Há muitas notas de euro a circular, mas nem todas são verdadeiras. O Banco de Portugal apreendeu 7.427 notas falsas durante os primeiros seis meses deste ano, um aumento face ao final do ano passado. A de 50 euros continua a ser a preferida de quem tenta “fazer dinheiro”, mas houve um forte aumento nas falsificações de denominações de maior valor.

“Durante o primeiro semestre de 2019, foram retiradas de circulação, em Portugal, 7.427 notas contrafeitas“, revelam os dados do supervisor, que mostram um aumento de 10% face às 6.757 que tinham sido apreendidas nos seis meses anteriores, ou seja, o segundo semestre de 2018.

A nota de 50 euros voltou a ser a nota contrafeita mais apreendida em Portugal, de acordo com o Banco de Portugal, tendo sido contabilizadas 3.436 destas notas falsas. Houve, contudo, uma quebra de 9% face ao semestre anterior, tal como aconteceu no caso da nota de cinco euros. No caso da nota de 20 euros, a segunda mais falsificada, o aumento foi de 1%.

Houve também um aumento das apreensões de notas de dez euros, de 14%, mas foi nas notas de maior valor que as falsificações apreendidas dispararam. No caso da nota de 100 euros mais do que duplicaram as apreensões, para 524 notas, enquanto na de 500 euros houve um aumento de 539%. Passaram de 75 para 479 notas.

O maior crescimento nas apreensões aconteceu, contudo, no caso da nota de 200 euros, a última, a par da de 100 euros, a ser renovada pelo Banco Central Europeu. Enquanto nos últimos seis meses do ano passado foram apreendidas apenas 75, nos primeiros seis meses deste ano foram 479, um aumento de 1.286%. Ou seja, quase 14 vezes mais.

Veja o número de notas contrafeitas apreendidas em Portugal:

A quantidade de notas contrafeitas apreendidas continua a ser residual em relação à quantidade de notas em circulação.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Houve mais notas apreendidas. Dispararam as falsificações de notas de maior valor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião