Portuguesa EatTasty capta mais 1,1 milhões de euros. Indico lidera ronda de investimento

Startup de entrega de comida entrou no início de julho no mercado espanhol. Financiamento vai permitir consolidar operação na península ibérica e expandir negócio para mais cidades espanholas.

Na EatTasty, são as cozinhas dos restaurantes, pouco utilizadas antes da hora de almoço, que são utilizadas para produzir as refeições desenhadas em conjunto com a startup.EatTasty

A startup portuguesa EatTasty levantou uma ronda de financiamento de 1,1 milhões de euros, liderada pela Indico Capital Partners. A empresa explora o conceito de dark kitchen, que otimiza a utilização de cozinhas para efeitos de vendas online e posterior entrega de comida. Com a ronda agora anunciada, a startup quer expandir operação em Madrid e crescer para outras cidades espanholas.

Fundada em 2016, a EatTasty aproveita cozinhas de outros restaurantes para produzir os menus diariamente, sendo depois as refeições entregues em escritórios das redondezas. A empresa anunciou, em julho, a entrada no mercado espanhol, com a chegada a Madrid, dois meses depois de, em maio, ter comprado a startup de entrega de pequenos-almoços Breadfast (que tinha, também, em 2018, comprado a concorrente Tigela Nova). O valor do negócio não foi avançado pelos intervenientes.

“Concebemos um modelo de negócio que funciona e gera muita procura entre colaboradores de escritórios, mas também de donos de restaurantes que pretendem rentabilizar as suas cozinhas. Atualmente a maior parte das nossas cozinhas já prepara mais de 150 refeições por dia. (…) Esta ronda foi desenhada pela Indico e temos ainda vários outros bons investidores pelo que não temos dúvidas que vamos crescer ainda mais rapidamente de agora em diante”, explica Rui Costa, cofundador do projeto, citado em comunicado.

No processo de desenvolvimento, as refeições são desenhadas para entrega e pensadas com “um custo muito mais baixo do que as de outras empresas de entrega de comida online e são obviamente feitas para serem deliciosas”, esclarece ainda o empreendedor.

"Trazer comida de casa, por exemplo, deixa de fazer sentido com este tipo de oferta.”

Stephan Morais

Cofundador da Indico Capital Partners

Na ronda, liderada pela Indico, participam ainda a Ibersol, um dos grandes players ibéricos de fast food, e grupos de business angels como a Shilling Capital Partners, a Singularity Capital e a Olisipo Way, entre outros.

Os resultados e margens da EatTasty são muito encorajadores devido à forma como a empresa gere as suas operações. Há cada vez mais colaboradores de escritórios a optar por receber a sua comida no local de trabalho e como os pedidos podem ser feitos até às 12h, a comida chega ao escritório, mas a um preço sensivelmente de metade das outras empresas de comida online. Trazer comida de casa, por exemplo, deixa de fazer sentido com este tipo de oferta”, justifica Stephan Morais, cofundador da Indico.

Esta é a sexta ronda de investimento liderada pela Indico Capital Ventures, primeiro fundo de venture capital independente e privado em Portugal, em 2019, depois dos investimentos na plataforma de saúde digital Zenklub, no serviço de subscrição de comida para cães Barkyn, na empresa de software de áudio Sound Particles, no mercado digital para pescado que usa tecnologia blockchain para aproximar pescadores e compradores Bitcliq e no assistente de vendas pró-ativo da Attentive. Além de liderar seis rondas de investimento, a Indico participou ainda com 3,25 milhões na última ronda de financiamento da startup berlinense Tier, principal empresa europeia de micromobilidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portuguesa EatTasty capta mais 1,1 milhões de euros. Indico lidera ronda de investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião