Governo vai exigir à ANA que Aeroporto no Montijo seja abastecido por oleoduto

Projeto do Montijo não prevê oleoduto para abastecer infraestrutura. Mas Governo diz ao ECO que "exigirá que novo aeroporto do Montijo" tenha um. Projeto também não garante uso de energias renováveis.

O Governo vai exigir à ANA que inclua a construção de um oleoduto no projeto para o aeroporto do Montijo, revelou Alberto Souto de Miranda, secretário de Estado Adjunto e das Comunicações ao ECO. Em causa está o facto de o projeto apresentado pela ANA não contemplar a construção de uma infraestrutura que garanta o abastecimento direto e a autonomia do novo aeroporto. “O Governo pode desde já informar que já sinalizou essa necessidade e que exigirá que o novo aeroporto do Montijo seja abastecido por oleoduto”, afirmou o governante quando questionado sobre o projeto que se encontra em consulta pública.

A greve dos motoristas de matérias perigosas de abril último deu a conhecer não só o peso destes profissionais no dia-a-dia do país, como revelou um dos pontos fracos da economia portuguesa: os aeroportos de Lisboa e Faro ficaram ‘secos’ em menos de 24 horas. Perante este cenário, e volvidos dois meses, petrolíferas, Governo e ANA acabaram por decidir avançar com a construção de um oleoduto para abastecer diretamente a Portela.

Este ponto fraco nos aeroportos levou o ECO a procurar pelo projeto de oleoduto para o Montijo nos documentos em consulta pública sobre o eventual novo aeroporto, sem sucesso. Antes o oposto: “O abastecimento será realizado através de camião cisterna (em princípio de 30 m3 ), prevê-se que acedam ao Aeroporto cerca de 20 camiões por dia. Para se proceder à receção dos camiões, prevê-se a instalação de três ilhas de descarga”, diz o Estudo de Impacto Ambiental no seu Volume II, dedicado a capítulos introdutórios e à descrição do projeto.

“Numa fase posterior, prevê-se a possibilidade de o abastecimento ser também realizado através de pipeline“, lê-se ainda, mas nada mais acrescenta. Ou seja, o projeto desenhado pela ANA não prevê um oleoduto de raiz e tampouco se ‘atravessa’ por uma data para construir o mesmo. Assim, e à falta desta infraestrutura, perguntou-se à entidade licenciadora do Montijo — o Ministério das Infraestruturas e Habitação — porquê.

“No que respeita ao abastecimento por ‘pipeline’, o Governo pode desde já informar que já sinalizou essa necessidade e que exigirá que o novo aeroporto do Montijo seja abastecido por oleoduto”, respondeu o Secretário de Estado Adjunto de Pedro Nuno Santos,

Aeroporto: “em análise” central solar de 1.200 MWh

Na resposta ao ECO, e depois de recordar “que o projeto do aeroporto do Montijo é da responsabilidade da ANA, SA. e que a Agência Portuguesa do Ambiente, na sequência dos contributos recebidos na consulta pública, ainda terá de se pronunciar e eventualmente exigir medidas mitigadoras do impacto ambiental”, o Executivo salienta que “verá com bons olhos todas as componentes do projeto que contribuam para a sustentabilidade ambiental do mesmo” e que reserva para “o momento oportuno” mais declarações “sobre os méritos do projeto nesse particular aspeto”.

O novo aeroporto não prevê, por agora, qualquer instalação de raiz que permita a transformação de energia renovável. A hipótese é referida mas, e ao contrário de outros aeroportos que têm sido edificados ou renovados nos últimos anos a nível internacional, não são dadas garantias que haverá um projeto de energia renovável que minimize o impacto desta infraestrutura no ambiente. Neste campo a única certeza é que o Montijo terá “dois ramais de ligação à Rede Pública de Energia”.

“Os consumos totais de energia elétrica previstos serão de cerca de 10.800 quilowatts [10,8 megawatts] em 2022 e de 14.000 quilowatts [14 Mw] em 2062. O Terminal de Passageiros será responsável pelo consumo de aproximadamente 50% dos valores anteriormente indicados”, detalha o resumo não técnico do projeto. Apesar de assumir como objetivo desenvolver o terminal “de modo a obter um edifício mais sustentável ao nível dos consumos energéticos”, a ANA não dá como certo que avance com um projeto de renováveis. Mas pode vir a fazê-lo, assumindo que se irá considerar a instalação de painéis solares/fotovoltaicos”.

Além de prever a aplicação de várias medidas que visam reduzir os consumos energéticos e emissões com efeito estuda, “está também a ser avaliada a possibilidade de instalação de uma central de produção de energia elétrica a partir de painéis solares, que permitirá uma produção anual de energia na ordem dos 1.200 MWh” por ano, lê-se no documento.

Serão igualmente considerados “sistemas de iluminação mais eficientes e controlados por sensores, equipamentos de climatização mais eficientes”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai exigir à ANA que Aeroporto no Montijo seja abastecido por oleoduto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião