Galp suporta bolsa de Lisboa com subida de 1%. BCP corrige das quedas

A petrolífera está a ser impulsionada pela subida dos preços da matéria-prima, puxando pelo índice português. O banco liderado por Miguel Maya respira de alívio após as fortes quedas.

A bolsa de Lisboa está em alta, suportada pelas ações da Galp Energia. A petrolífera avança 1,3% para 14,19 euros por ação, impulsionada pela subida dos preços da matéria-prima. A ajudar está também o BCP, que afundou 6% na última sessão, e segue a corrigir, com um ganho de 0,55% para 0,23 euros por ação.

O PSI-20 ganha 0,28% para 5.043,72 pontos, após terça-feira ter vivido aquela que foi a pior sessão do ano. Além da Galp e BCP, também o setor do papel segue em alta. A Navigator ganha 0,65% e tanto a Semapa como a Altri sobem 0,5%.

Em sentido contrário, o grupo EDP recua. A casa-mãe cede 0,1% para 3,31 euros e a eólica cai 0,65% para 9,15 euros, depois de terem anunciado o fecho da venda de participações em vários projetos eólicos em Espanha, Portugal, França e Bélgica, por 808 milhões de euros.

Lisboa está do lado dos vencedores na Europa, onde o sentimento é misto e os investidores estão em modo de espera. Termina esta quarta-feira a reunião de política monetária da Reserva Federal norte-americana e a expectativa é que o presidente Jerome Powell anuncie um corte nos juros de referência entre 25 e 50 pontos base, face ao atual intervalo entre 2,25% e 2,50% para estimular a economia, apesar de nem todos os decisores de política monetária dos EUA concordarem na estratégia.

Neste cenário de espera, o Stoxx 600 perde 0,1%, tal como o britânico FTSE 100. Tanto o espanhol IBEX 35 como o italiano FTSE MIB seguem a ganhar 0,1%, enquanto o francês CAC 40 e o alemão DAX estão praticamente inalterados.

A antecipação da decisão sobre o custo do dinheiro nos EUA, a par da quebra nos stocks de petróleo no país, têm influenciado igualmente o mercado petrolífero. Os preços da matéria-prima sobem pelo quinto dia consecutivo, com o Brent em Londres a avançar 0,70% para 65,17 dólares por barril e o crude WTI a ganhar 0,62% para 58,39 dólares.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp suporta bolsa de Lisboa com subida de 1%. BCP corrige das quedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião