Ryanair admite despedir até 500 pilotos e 400 tripulantes de cabine

  • Lusa
  • 1 Agosto 2019

O impacto do Brexit, o aumento do preço dos combustíveis e o atraso na entrega dos aviões Boeing 737 Max estão na base de um eventual corte no número de trabalhadores da companhia aérea.

A Ryanair admitiu esta quinta-feira que poderá despedir até 500 pilotos e 400 tripulantes de cabine, devido ao impacto do Brexit, ao aumento do preço dos combustíveis e ao atraso na entrega dos aviões Boeing 737 Max.

A companhia de aviação irlandesa avançou hoje com detalhes em relação a este assunto, depois de o seu presidente executivo, Michael O’Leary, ter exposto os planos de reestruturação num vídeo enviado na quarta-feira aos trabalhadores, em que pede “desculpa” pelas “más notícias”.

No vídeo de quatro minutos de duração, a administração da companhia aérea explica que os despedimentos na Ryanair, que atualmente conta com 19.000 trabalhadores, são “simplesmente inevitáveis”.

Na segunda-feira, Michael O’Leary informou que o lucro da transportadora aérea caiu 21% no primeiro semestre do exercício fiscal, para 243 milhões de euros, face a idêntico período do ano fiscal anterior.

O gestor justificou, então, a queda do resultado líquido como consequência também do embaratecimento dos bilhetes e do aumento dos custos da frota, devido “sobretudo aos grandes aumentos salariais dos pilotos e tripulantes de cabine nas negociações realizadas no ano passado”.

“Estas más notícias surgem duas semanas depois de anunciar que os atrasos na entrega do (Boeing) Max significavam que, em vez dos 58 novos aviões para o verão de 2020, teria agora de adquirir apenas 30”, salienta a administração no vídeo divulgado internamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair admite despedir até 500 pilotos e 400 tripulantes de cabine

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião