Costa Pinto diz BdP devia ter travado créditos ruinosos da CGD

  • ECO
  • 2 Agosto 2019

Antigo presidente do conselho de auditoria do Banco de Portugal (BdP) diz que a supervisão em Portugal "tinha informações que lhe permitiam acompanhar este tipo de operações" que geraram perdas à CGD.

João da Costa Pinto, antigo presidente do conselho de auditoria do Banco de Portugal (BdP), critica as operações de financiamento da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que vieram a gerar perdas avultadas ao banco público. Diz que não compreende a avaliação feita pela administração da CGD, à data, mas também que esses financiamentos “deviam ter sido travadas pela supervisão”.

Aquele que foi o responsável pela avaliação da atuação do supervisor no caso do BES, recorda, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago), que em tempos foram realizadas “operações de financiamento de aquisição de ações de bancos, financiadas por outros bancos”, algo que à data era considerado “comum”. “Era, até certo ponto”, diz.

“Tenho presente” que a determinada altura Norberto Rosa, ex-administrador da CGD, “avaliou o montante total de financiamentos que o banco tinha feito tendo ações como colateral e falou num número que me deixou perplexo: mais de 4 mil milhões de euros”. “Como é que conselhos sucessivos tinham permitido financiamentos desta dimensão, nomeadamente se os compararmos com os capitais próprios da instituição? E a supervisão também devia estar atenta a este tipo de financiamentos“, questiona.

Neste sentido, defende que “quando se trata de financiamentos muito substanciais, que tinham como pano de fundo a aquisição, por determinados acionistas, de partes significativas do capital de um banco, essas eram operações que, em meu entender, deviam ter sido travadas pela supervisão”.

Não foram travadas, mas a supervisão poderia tê-lo feito. “As supervisões recebem informações detalhadas. Nas contas anuais dos bancos estão indicados o tipo de financiamentos e os colaterais. Portanto, é evidente que a supervisão, em qualquer sítio do mundo, e também cá, tinha informações que lhe permitiam acompanhar este tipo de operações. Isso é inegável”, diz, acrescentando que “isso não pode ser negado pelo BdP”. E remata: o BdP “nunca esteve de mãos atadas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa Pinto diz BdP devia ter travado créditos ruinosos da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião