Capacidade de transporte de bicicletas nos barcos do Tejo vai quase triplicar

  • ECO
  • 6 Agosto 2019

Os projetos que preveem acrescentar lugares para pessoas que viajam com bicicleta nos barcos do Tejo não vão comprometer o número de passageiros transportados.

As pessoas que viajam nos transportes fluviais de Lisboa com bicicletas vão ter, até ao final do ano, 300 lugares nos barcos que ligam as margens do Tejo. Este valor significa duplicar a capacidade que existe atualmente nas frotas da Soflusa e da Transtejo, e nos próximos anos deverá mesmo triplicar, já que os navios em fase de aquisição deverão incluir 200 lugares.

Esta medida, anunciada pelo secretário de Estado dos Transportes, José Mendes, é motivada pelo aumento de utilizadores dos navios que transportam consigo a bicicleta, adianta o Público (acesso pago). Os projetos que preveem acrescentar estes lugares não vão comprometer o número de passageiros transportados nem as questões de segurança, garante ainda José Mendes.

O investimento, explicou o secretário de Estado numa reunião com o Conselho Consultivo para a Mobilidade Sustentável da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), vai permitir aumentar de quatro para 16 as bicicletas que podem ir em cada cacilheiro, enquanto nos catamarãs Transcat o número sobe de cinco para nove.

Os dez novos navios da Transtejo, cujo concurso está ainda a decorrer, terão, cada um, vinte lugares para bicicletas, o que se traduz em 5% da capacidade de transporte de passageiros. Mesmo assim, fica ainda aberta a possibilidade de aumentar a capacidade nestes.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Capacidade de transporte de bicicletas nos barcos do Tejo vai quase triplicar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião