Governo está a dar formação a 500 motoristas para assegurar abastecimento de combustível em caso de falhas

O ministro do Ambiente e da Transição Energética afirmou que estão já 500 pessoas a ser formadas para que possam conduzir veículos de transporte de matérias perigosas.

Já há 500 pessoas a receber formação para que tenham condições de guiar as viaturas de transporte de matérias perigosas. O objetivo desta medida é assegurar o fornecimento de combustíveis aos postos de abastecimento durante a greve agendada para a próxima segunda-feira, dia 12 de agosto, caso os serviços mínimos falhem.

A garantia foi dada, esta quarta-feira, pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, José Pedro Matos Fernandes, durante a conferência de imprensa conjunta no Ministério do Trabalho e da Segurança Social.

À cautela, foi feito o levantamento, entre Forças Armadas e forças de segurança, de quantos homens estão em condições de conduzir estes veículos. Precisando nós de cerca de 180 homens para conduzir, estão neste momento em 500 pessoas em formação para conduzir estes veículos”, disse o ministro. Estão, assim, a ser formadas mais do dobro das pessoas necessárias para a condução dos camiões de matérias perigosas, tal como o ECO já tinha avançado esta terça-feira.

O objetivo é que, caso os serviços mínimos não sejam cumpridos, estas pessoas possam realizar o transporte de matérias perigosas. Os motoristas podem, assim, ser substituídos “por agentes das forças de segurança e das Forças Armadas”, explicou Matos Fernandes.

Esta terça-feira, o ECO já tinha avançado que o Governo estava já a dar formação a profissionais do Estado para que estes, caso seja preciso, estejam em condições para transportar combustível.

(Notícia atualizada às 19h30)

Comentários ({{ total }})

Governo está a dar formação a 500 motoristas para assegurar abastecimento de combustível em caso de falhas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião