Portugueses já enchem o depósito. “É da ansiedade”

O ECO passou por alguns postos de combustível no centro de Lisboa. A afluência tem vindo a aumentar desde segunda-feira e já começaram as filas para atestar o depósito.

Já há filas para abastecer nos postos de combustível no centro de Lisboa. O receio da greve dos motoristas de matérias perigosas marcada para dia 12 e o impasse nas negociações entre sindicatos e patrões fez soar o alarme desde o início da semana.

No posto da BP perto da Basílica da Estrela há um funcionário a gerir o tráfego dos automóveis que chegam para abastecer. “Já se nota muito mais afluência desde ontem. Já esgotámos os jerricãs hoje e mandámos vir mais. É da ansiedade“, afirma ao ECO, entre sorrisos.

Fila na BP perto da basílica da EstrelaHugo Amaral/ECO

Algumas centenas de metros mais acima, já em Campo de Ourique, o funcionário do posto da Galp acabava de encher três garrafões de 20 litros de gasóleo. “Isto tem sido uma loucura hoje”, diz-nos. A meio da tarde o posto tinha uma fila de automóveis anormal à espera para abastecer.

Cinco litros para abastecer uma scooter.Hugo Amaral/ECO

Na Galp do Campo Pequeno, o cenário não era diferente. Mas as filas não preocupam o funcionário do posto. “Podem vir à vontade que a gasolina não vai acabar hoje! Mas que venham com calma. Ainda há pouco iam andando à porrada por causa da fila”. Poucos quilómetros mais à frente, na zona de Alvalade, mais do mesmo. Filas para abastecer no posto de combustível da Prio. “As pessoas já não metem nem dez nem 20 euros. É tudo para atestar”, conta-nos a funcionária.

Fila para abastecer na Prio a meio da tarde de quarta-feiraHugo Amaral/ECO

Este era o cenário, a meio da tarde de quarta-feira, nos postos no centro de Lisboa. O posto de combustível low-cost da Rede Energia no Campo Grande não foge à regra. Dizem-nos que desde domingo que se nota mais afluência e que não é normal nesta altura em agosto. “Os chineses já não têm jerricãs. Estão a mandar vir às toneladas”, brincam os dois funcionários, enquanto enchem os depósitos dos automóveis à frente de uma fila com quase duas dezenas de veículos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses já enchem o depósito. “É da ansiedade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião