BCE pede reformas para suster subida de gastos com pensões

  • Lusa
  • 8 Agosto 2019

O Banco Central Europeu alertou que os gastos em pensões estão em máximos históricos em vários países e que, caso não sejam adotadas reformas, continuarão a crescer.

O Banco Central Europeu (BCE) afirmou que os gastos em pensões, a parte mais elevada dos gastos sociais, estão em máximos históricos em vários países e advertiu que os mesmos continuarão a crescer se não forem adotadas reformas. No boletim económico publicado esta quinta-feira, o BCE afirma que “as pensões representam a maior carga para os Governos”.

“O impacto máximo do envelhecimento vai ocorrer quando a geração do baby boom se reformar, ou seja, em torno do ano 2040 nalguns países da zona euro, mas mais tarde noutros”, adianta o BCE no boletim.

Os compromissos acumulados até à data da Segurança Social situam-se em mais de 200% do Produto Interno Bruto (PIB) na maioria dos países, referem cálculos recentes. O BCE adianta que “se espera que o envelhecimento conduza a um aumento de gastos com a saúde e a uma diminuição da oferta de trabalho, do crescimento e da inovação”.

Na maioria dos países da zona euro, os sistemas públicos de pensões têm grande relevância, enquanto na Holanda e, em menor medida, na Irlanda o sistema privado representa um importante pilar. “Os países deviam procurar políticas e reformas que garantam a sustentabilidade do gasto social, especialmente tendo em conta o envelhecimento da população e a possibilidade de se produzirem perturbações económicas negativas”, recomenda o BCE.

Os gastos sociais têm crescido de forma continuada desde 2001, tanto em termos nominais como percentuais do gasto público total, ainda que em percentagem do PIB tenha mostrado uma certa volatilidade durante o período da crise. Em 2017, o gasto social na zona euro foi em média cerca de 70% do gasto público total e 31% do PIB, ou 3,5 biliões de euros, segundo o BCE.

A proteção social é a componente mais importante do gasto público nos países da zona euro e, em média, representa 42% do gasto público total e cerca de 20% do PIB. Existem claras diferenças entre países europeus quanto ao nível de proteção social, que supõe uma terceira parte do gasto público total em Malta e na Letónia, e aproximadamente a metade na Finlândia e na Alemanha.

Em todos os países, a principal componente dos gastos sociais é o das pensões, que equivale em média a 12,4% do PIB. Às pensões seguem-se os gastos sociais com doença e invalidez, família e filhos, desemprego e habitação social. “Apesar das reformas dos sistemas de pensões realizadas em muitos países da zona euro, as pensões representam a maior carga para os Governos”, conclui o BCE.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE pede reformas para suster subida de gastos com pensões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião