Governo suspende inquérito polémico que questionava Função Pública sobre políticas do PS e troika

O questionário enviado pela DGAEP aos funcionários públicos tinha questões sobre a motivação durante o período da troika. Governo suspendeu temporariamente as respostas.

A Direção-Geral da Administração e Emprego Público enviou um inquérito a cerca de 500 mil funcionários públicos, onde figuram questões relacionadas com as políticas do PS, bem como comparações com o período da troika. Perante estas perguntas, que motivaram críticas de sindicalistas, e a proximidade das eleições, o Governo decidiu suspender temporariamente o inquérito.

“Considerando que a elevada visibilidade do assunto em período pré-eleitoral pode comprometer a fiabilidade dos resultados, inviabilizando todo o inquérito e a comparabilidade com os resultados obtidos em 2015, o Governo determinou a suspensão temporária do inquérito”, explica o Executivo, em comunicado enviado pelo gabinete do ministro das Finanças.

O Governo determina ainda que “o preenchimento dos questionários e as fases subsequentes sejam retomados após as eleições legislativas marcadas para dia 6 de outubro”. Esta era a segunda edição do inquérito que foi enviado por email à Função Pública, sendo que a primeira foi em 2015.

No que diz respeito a comparações com outros tempos, este inquérito questionava, por exemplo, se “o período da troika influenciou negativamente a motivação no trabalho”, ou se o funcionário se sente “hoje mais motivado no trabalho do que há cinco anos”, segundo o Observador (acesso pago).

Já quanto às políticas do Governo, perguntava aos funcionários públicos se “a reposição dos salários afetou positivamente a motivação no trabalho”, ou se o “o descongelamento progressivo das carreiras é motivador”. As respostas a estas questões poderiam ser: “Totalmente em desacordo”; “Em desacordo”; “De acordo”; e “Totalmente de acordo”.

Os sindicalistas criticaram as perguntas, nomeadamente por chegarem em período eleitoral. A presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, reiterou que “obviamente [as questões] eram de evitar”, mas “em campanha vale tudo”. Já Ana Avoila, da Frente Comum, um dos sindicatos afetos à CGTP, aponta que as referências no inquérito são “uma forma indireta de apelo ao voto” ou, no limite, “uma forma de coagir os trabalhadores”, em declarações ao Observador.

Comentários ({{ total }})

Governo suspende inquérito polémico que questionava Função Pública sobre políticas do PS e troika

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião