Governo suspende inquérito polémico que questionava Função Pública sobre políticas do PS e troika

O questionário enviado pela DGAEP aos funcionários públicos tinha questões sobre a motivação durante o período da troika. Governo suspendeu temporariamente as respostas.

A Direção-Geral da Administração e Emprego Público enviou um inquérito a cerca de 500 mil funcionários públicos, onde figuram questões relacionadas com as políticas do PS, bem como comparações com o período da troika. Perante estas perguntas, que motivaram críticas de sindicalistas, e a proximidade das eleições, o Governo decidiu suspender temporariamente o inquérito.

“Considerando que a elevada visibilidade do assunto em período pré-eleitoral pode comprometer a fiabilidade dos resultados, inviabilizando todo o inquérito e a comparabilidade com os resultados obtidos em 2015, o Governo determinou a suspensão temporária do inquérito”, explica o Executivo, em comunicado enviado pelo gabinete do ministro das Finanças.

O Governo determina ainda que “o preenchimento dos questionários e as fases subsequentes sejam retomados após as eleições legislativas marcadas para dia 6 de outubro”. Esta era a segunda edição do inquérito que foi enviado por email à Função Pública, sendo que a primeira foi em 2015.

No que diz respeito a comparações com outros tempos, este inquérito questionava, por exemplo, se “o período da troika influenciou negativamente a motivação no trabalho”, ou se o funcionário se sente “hoje mais motivado no trabalho do que há cinco anos”, segundo o Observador (acesso pago).

Já quanto às políticas do Governo, perguntava aos funcionários públicos se “a reposição dos salários afetou positivamente a motivação no trabalho”, ou se o “o descongelamento progressivo das carreiras é motivador”. As respostas a estas questões poderiam ser: “Totalmente em desacordo”; “Em desacordo”; “De acordo”; e “Totalmente de acordo”.

Os sindicalistas criticaram as perguntas, nomeadamente por chegarem em período eleitoral. A presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, reiterou que “obviamente [as questões] eram de evitar”, mas “em campanha vale tudo”. Já Ana Avoila, da Frente Comum, um dos sindicatos afetos à CGTP, aponta que as referências no inquérito são “uma forma indireta de apelo ao voto” ou, no limite, “uma forma de coagir os trabalhadores”, em declarações ao Observador.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo suspende inquérito polémico que questionava Função Pública sobre políticas do PS e troika

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião