Quantas unidades de alojamento local existem em Portugal?

Começaram a ser registados em 2014 e, desde então, o número de unidades de alojamento local disparou. Só este ano, em sete meses, já foram inscritas quase 11.000.

Apareceram há vários anos, mas desde 2014 que começaram a multiplicar-se como cogumelos. As unidades de Alojamento Local (AL) vieram dar resposta ao aumento exponencial do turismo, que tem sido um dos principais responsáveis pelo rejuvenescimento da economia nacional. Se há cinco anos eram pouco mais de 4.000 os alojamentos locais registados, só este ano já foram inscritos quase 11.000. Mas, afinal, quantos AL existem no país?

Os números são claros e refletem a posição que Portugal tem vindo a ganhar na vida dos viajantes. Só no ano passado, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), 22,8 milhões turistas visitaram terras lusas, mais 7,5% do que em 2017. Embora se comece a observar um certo abrandamento, este indicador continua a crescer, principalmente devido aos turistas espanhóis.

Enquanto o número de turistas sobe, o número de unidades de AL vai acompanhando essa tendência. Desde 2014, ano em que entrou em vigor a nova lei, o número de AL a serem registados sofreu um autêntico boom a cada ano que passa.

Se em 2014 foram 4.042 as unidades a serem registadas no Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL), gerido pelo Turismo de Portugal, em 2015 esse número aumentou para 9.878 e, em 2016, ultrapassou a barreira dos dez mil e fixou-se em 10.856. Em 2017 o número continuou a subir e foram registadas 18 mil unidades de AL, enquanto no ano passado foram 25.145.

De 1 de janeiro até esta quinta-feira já foram registados 10.811. Ou seja, até 5 de agosto de 2019, Portugal tem registadas 88.634 unidades de alojamento local.

Em termos de regiões, há zonas que concentram a maioria destes alojamentos. Juntos, os distritos do Porto, Lisboa e Faro representam 76,5% da fatia total do país. A zona do Algarve lidera a tabela com 33.305 unidades, à frente de Lisboa com 23.980 e do Porto com 10.486.

Este aumento exponencial de alojamento local está a levantar preocupações quanto à disponibilidade do mercado e ao preço dos imóveis. Preocupações essas que chegaram também às autarquias, levando à criação de zonas de contenção. Lisboa deu o pontapé de saída, no final do ano passado, ao suspender novos registos de alojamento local nos bairros de Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto.

Em julho foi a vez da Câmara do Porto proibir novos registos em zonas de contenção como as ruas da Alfândega, Lóios, Mouzinho da Silveira, Flores, Aliados, Santa Catarina e Rua do Almada e ainda outras zonas fora do casco histórico que apresentam valores elevados, como a rua da Boavista, Aníbal Cunha e da Praça Pedro Nunes.

Quanto custa carregar a bateria do seu telemóvel? Quantas árvores são precisas para fazer uma resma de papel? Quanto custa fazer uma prancha de surf? Quantos casamentos se fazem em agosto? De segunda a sexta-feira, até ao final de agosto, o ECO dá-lhe a resposta a um “Sabia que…”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantas unidades de alojamento local existem em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião