Alojamento local é mais rentável nos Aliados (Porto) e no Chiado (Lisboa)

  • Lusa
  • 2 Maio 2019

A Avenida dos Aliados, no Porto, e o Chiado, em Lisboa, são as zonas mais rentáveis do país para alojamento local, revela estudo. Apartamento com dois quartos pode render até 150 euros por dia.

As zonas mais rentáveis para alojamento local são a Avenida dos Aliados, no Porto, e o Chiado, em Lisboa, onde um apartamento com dois quartos pode render até 150 euros por dia, segundo um estudo da GuestReady, hoje divulgado.

Com base na média de valores cobrados em 200 estabelecimentos de alojamento local, localizadas em 26 zonas de Lisboa e do Porto, que são geridos pela empresa GuestReady e anunciados na plataforma Airbnb, o estudo apurou que “os preços nas zonas junto às estações de comboios são dos mais atrativos para os turistas” que visitam estas duas cidades portuguesas.

“Um apartamento com um quarto junto à estação de Campanhã (Porto) pode render em média 55 euros por dia, enquanto um alojamento semelhante perto da Estação do Oriente (Lisboa) chega a custar 75 euros”, revelou a empresa de gestão de unidades de alojamento local.

De acordo com os dados analisados, que incidem sobre a oferta de alojamentos com um quarto e com dois quartos, a zona mais cara é a da Avenida dos Aliados, no Porto, onde apartamentos com um quarto custam, em média, 120 euros por dia e com dois quartos podem render até 150 euros por dia.

Na cidade Invicta, o estudo aponta, também, como zonas mais rentáveis a Rua Mouzinho da Silveira, onde apartamentos com dois quartos podem gerar até 140 euros por dia.

Segue-se a Estação de São Bento, onde unidades com dois quartos custam 135 euros por dia, a Rua de Santa Catarina, onde o preço médio de estabelecimentos com a mesma tipologia é de 120 euros por dia, e a Rua do Almada, onde pode render 100 euros por dia.

Em Lisboa, os proprietários de unidades de alojamento local podem gerar as receitas mais elevadas na Rua do Alecrim e na Rua Garret, ambas na zona do Chiado, onde apartamentos com dois quartos podem atingir o preço diário de 130 euros.

Segue-se a Avenida da Liberdade (125 euros), a Rua do Carmo (125 euros), a Rua Augusta (120 euros), a Rua da Prata (120 euros), a Rua do Ouro (120 euros) e a Avenida da República (120 euros).

Ainda na capital, as zonas da Avenida Fontes Pereira de Melo, do Largo Camões, da Praça dos Restauradores, da Estação do Oriente e do Rossio permitem obter receitas superiores a 100 euros por dia no alojamento local de apartamentos com dois quartos, segundo os dados do estudo.

Em relação às zonas mais baratas, o estudo indica a Rua da Cedofeita, no Porto, com preços médios entre os 70 euros e os 85 euros para apartamentos com um e dois quartos, respetivamente, bem como a Avenida Almirante Reis e o Largo do Rato, em Lisboa, com valores médios entre os 70 e os 90 euros por dia, consoante a tipologia.

No âmbito da realização deste estudo, a empresa GuestReady decidiu criar uma versão inspirada no jogo de tabuleiro Monopólio, que visa “dar a conhecer quanto podem ganhar os proprietários de unidades de alojamento local nas principais áreas de Lisboa e do Porto”.

A GuestReady é uma empresa internacional de gestão de unidades de alojamento local, que fornece serviços profissionais a investidores imobiliários, proprietários de casas e anfitriões da plataforma Airbnb no Reino Unido, França, Portugal, Emirados Árabes Unidos, Malásia e Hong Kong.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local é mais rentável nos Aliados (Porto) e no Chiado (Lisboa)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião