BCP recupera perdas. Ganho acima de 4% puxa pela bolsa de Lisboa

Depois de uma sessão para esquecer na segunda-feira, o BCP conseguiu recuperar as perdas e puxou pela Bolsa de Lisboa. Adiamento de novas taxas sobre importações chinesas animaram bolsas europeias.

Depois de mais ter negociado quase toda a sessão no vermelho, a bolsa de Lisboa fechou esta terça-feira a subir, depois de mais um volte face nas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. A administração norte-americana anunciou esta terça-feira que vai adiar a aplicação de mais taxas aduaneiras sobre as importações de telemóveis, computadores portáteis e brinquedos que estavam previstas entrar em vigor a 1 de setembro para 15 de dezembro. O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI-20, fechou a valorizar 0,61%.

O anunciou levou a uma viragem na tendências dos mercados acionistas um pouco por todo o mundo e a bolsa de Lisboa não ficou imune a esta tendência. A puxar pelo principal índice da praça lisboeta esteve o BCP, que na sessão de segunda-feira perdeu 5,22%, conseguiu recuperar as perdas e ultrapassou novamente a barreira dos 20 cêntimos por ação. Após ganhos de 4,35%, terminou o dia nos 0,2065 euros.

A Galp Energia também puxou pelo PSI-20, valorizando 1,05%. A Mota Engil foi, ainda assim, a cotada que conseguiu a maior subida do dia. As ações valorizaram 7,96%, terminando a sessão a valer 1,817 euros. Já a EDP Renováveis terminou em sentido inverso, com uma queda de 3,10%, para os 9,39 euros por ação.

Mota-Engil dispara 8%

Na Europa, a tendência foi de subida. O anúncio de tréguas, pelo menos para já, na mais recente escalada de tensão entre os Estados Unidos e a China, com a ameaça da administração Trump de aplicar novas taxas aduaneiras sobre os restantes 300 mil milhões de dólares de importações chinesas foi recebida com promessas de retaliação em Pequim. O anúncio de que essas taxas afinal não vão ser aplicadas a partir de 1 de setembro, mas sim apenas a 15 de dezembro dão espaço aos mercados para respirar e para as duas maiores potências económicas do mundo conversarem.

Nesse sentido, o Stoxx 600 terminou o dia a valorizar 0,6%, com o principal índice da Bolsa de Paris, o CAC 40, a valorizar 1,1%, o DAX alemão a subir 0,8%, e os principais índices das bolsas de Londres e Madrid a terminarem com ganhos de 0,4%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP recupera perdas. Ganho acima de 4% puxa pela bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião