CMVM suspende ações da Cofina e Media Capital. Compra da TVI em cima da mesa

A CMVM suspendeu a negociação das ações dos dois grupos na bolsa de Lisboa. Os títulos da empresa que detém o Correio da Manhã dispararam quase 7% com a notícia das negociações para a compra da TVI.

As ações da Cofina CFN 0,48% e da Media Capital MCP 0,00% foram suspensas pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta terça-feira, minutos antes do encerramento da sessão. A notícia de que a dona do Correio da Manhã está a negociar a compra da TVI estava a puxar pelos títulos do grupo de Paulo Fernandes, que subiam 7% antes da decisão do regulador.

“O Conselho de Administração da CMVM deliberou […] a suspensão da negociação das ações Cofina e das ações do Grupo Media Capital, aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado“, explicou o supervisor, em comunicado. Ou seja, as empresas visadas terão de prestar mais esclarecimentos acerca da notícia do Expresso, que avançou que a Cofina já formalizou o interesse pela TVI mediante a assinatura de um memorando de entendimento.

O documento terá sido assinado há três semanas. E embora já fosse conhecido o interesse do grupo de Paulo Fernandes na TVI, até aqui não passavam de conversações exploratórias entre os advogados das duas partes, que duravam pelo menos desde março, depois de ter caído a operação de venda do grupo à Altice Portugal.

A aceleração das negociações nas últimas semanas estará associada à reestruturação na administração da Media Capital, com a saída antecipada de Rosa Cullell e a tomada de posse de Luís Cabral como novo presidente executivo da companhia. Contactada pelo ECO, fonte oficial da Cofina não quis comentar estas informações.

Antes da suspensão, as ações da Cofina, que negoceiam no índice PSI Geral da bolsa de Lisboa, fecharam a sessão com uma valorização de 6,71% para 44,50 cêntimos. Já os títulos da Media Capital, que negociaram pela última vez a 23 de julho, valem 1,89 euros.

(Notícia atualizada às 16h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM suspende ações da Cofina e Media Capital. Compra da TVI em cima da mesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião