Governo não alarga requisição civil

O Governo não considera necessário estender a requisição civil parcial que foi aprovada na segunda-feira, porque os serviços mínimos estão a ser "genericamente cumpridos".

O Governo não considera necessário estender a requisição civil parcial que foi aprovada na segunda-feira. Num comunicado, o gabinete do ministro do Ambiente e da Transição Energética afirmou que os serviços mínimos “foram genericamente cumpridos” até às 19h00 desta quarta-feira e que, por isso, considerou que não é preciso rever “os termos da requisição civil em vigor”.

Segundo o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, os “únicos casos de incumprimento dos serviços mínimos registados” prendem-se com o transporte de combustível para os aeroportos de Lisboa e de Faro, situações que “já estão abrangidas pela requisição civil em vigor”. “Neste momento, 18 equipas das Forças de Segurança e das Forças Armadas estão a fazer o transporte de combustível para o aeroporto de Lisboa e seis equipas da GNR a fazer serviço idêntico para o aeroporto de Faro”, informou o Governo na mesma nota.

A notícia surge numa altura em que Pedro Pardal Henriques, representante dos motoristas que transportam matérias perigosas, avançou aos jornalistas que pelo menos dois trabalhadores terão sido “detidos” pelas autoridades para se apresentarem em Aveiras de Cima e irem trabalhar. A informação ainda não foi confirmada pelas autoridades.

Segundo disse o ministro Matos Fernandes ao início da tarde, o Governo já identificou cerca de 20 motoristas que não cumpriram a requisição civil. Este incumprimento pode constituir crime de desobediência.

(Notícia atualizada às 19h52 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo não alarga requisição civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião