Dois motoristas “detidos” por não cumprirem requisição civil, diz sindicato

Pedro Pardal Henriques garante que o dois motoristas foram detidos pelas autoridades esta quarta-feira, por não cumprirem a requisição civil do Governo.

Dois motoristas terão sido “detidos” esta quarta-feira por não cumprirem a requisição civil do Governo, denunciou Pedro Pardal Henriques, que representa os motoristas que transportam matérias perigosas. Em declarações transmitidas pela RTP 3, o advogado acrescentou que os trabalhadores estavam em casa no momento das alegadas detenções.

“Aqui estão duas pessoas que foram detidas e que têm de se apresentar à empresa. Temos notícia de que virão outras a caminho. E temos visto a lista que é imensa e que chega a 50 detenções”, garantiu o advogado. “Espero que haja muito mais, porque depois não sei como é que vai existir alguém para conduzir os camiões”, reiterou.

Pedro Pardal Henriques explicou que as autoridades terão recebido ordens para deter os trabalhadores de uma determinada empresa e trazê-los às instalações em Aveiras de Cima, para irem trabalhar. “Caso não trabalhem terão de ir obrigatoriamente detidos para a esquadra”, afirmou.

Num comunicado da GNR, citado pelo Observador, a guarda esclareceu que nenhum motorista foi detido. Houve, sim, quatro motoristas notificados por desobediência.

A greve dos camionistas subiu de tom esta quarta-feira, depois de o Governo ter avançado com uma requisição civil parcial e de estar a identificar e a notificar os motoristas que estejam a incumprir aquela ordem do Estado. Estes poderão incorrer num crime de desobediência.

Na manhã desta quarta-feira, perante estas informações, Pedro Pardal Henriques apelou aos trabalhadores para que não cumpram os serviços mínimos nem a requisição civil. Uma atitude considerada de “irresponsabilidade” pelos patrões representados pela Antram.

(Notícia atualizada às 20h18 com informações oficiais da GNR)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dois motoristas “detidos” por não cumprirem requisição civil, diz sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião