Wall Street recupera. Resultados da Walmart e vendas no retalho aliviam receios dos investidores

Wall Street abriu a recuperar depois da forte queda da sessão anterior. Dados mais robustos das vendas no retalho e resultados da Walmart acima das estimativas aliviaram os receios de uma recessão.

As bolsas norte-americanas estão a contrariar a tendência das praças europeias, abrindo em terreno positivo depois de uma sessão em que os índices fecharam em mínimos. Os receios de uma recessão global foram aliviados por dados económicos animadores do setor do retalho e pelos fortes resultados do segundo trimestre apresentados pela cadeia Walmart.

Depois de ter fechado em mínimos de dois meses, o S&P 500 abriu a subir 0,22%, para 2.846,97. Já o tecnológico Nasdaq soma 0,22%, para 7.790,99 pontos. O industrial Dow Jones, que caiu cerca de 800 pontos na última sessão, a maior queda desde outubro, está a recuperar 0,26%, para 25.544,61 pontos.

O Departamento do Comércio revelou que as vendas no setor do retalho subiram 0,7% em julho, um crescimento muito acima dos 0,3% que eram esperados pelos analistas. Além deste indicador, os investidores foram surpreendidos pelos resultados acima das estimativas apresentados pela Walmart.

A gigante do retalho anunciou receitas de 130,4 mil milhões de dólares relativas ao segundo trimestre, bem como ganhos de 1,27 dólares por ação, contra os 1,22 dólares por ação que eram previstos pelos analistas. A empresa também atualizou o guidance para este trimestre, prevendo um crescimento mais forte das vendas. Neste contexto, as ações da empresa estão a subir 5,96%, para 112,32 dólares.

Ainda assim, a volatilidade das últimas sessões mostra que os investidores vão estar atentos ao comportamento dos mercados, numa altura em que se receia que a economia mundial esteja a entrar numa era mais conturbada, devido aos constrangimentos provocados em todo o mundo pela guerra comercial entre EUA e China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera. Resultados da Walmart e vendas no retalho aliviam receios dos investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião